Sem fazer papelão

Publicado em 5 de janeiro de 2009

Edmundo é um frequente cruzador de ruas.

Com seu carrinho de apanhar papéis e outros materiais recicláveis, ele percorre diariamente diversos bairros de Marabá, trabalhando  até às 18 horas.
Ele anda sujo, mas não é sujo.
Certamente nunca ouviu falar de gestão de qualidade, o que significa ISO (organização Internacional para Padronização) ou qualquer tipo de norma técnica das organizações. .
Mas é organizado.
Observem, no carro, como ele distribui organizadamente o “lixo” recolhido na cidade. Há sacos apenas com plásticos pequenos, na parte de trás que a foto não mostra amarra outros plásticos maiores, e assim por diante.
O blogger passou duas horas acompanhando, de longe, o trabalho de Edmundo pelas ruas da cidade.
Tipo de profissional que se reciclado pelo poder público – ou numa empresa privada – poderia ser útil de forma mais abrangente.
Edmundo sustenta cinco filhos, esposa e sogra com o que vende do material recolhido nas ruas.
Organizadamente.
———

Reforma Ortográfica – o trema desaparece na palavra