Hiroshi Bogéa On line

Seguindo pegadas

É bom estar atento às pegadas do deputado João Salame (PPS). Primeiro, ele realizou aproximação com a deputada estadual Bernadete Caten (PT) propondo união de esforços para ativação de uma agenda de ações e obras voltadas ao Sul do Pará. Os dois parlamentares fecharam compromissos de trabalhar unidos. Nessa quinta-feira (03), durante sessão especial da Assembléia Legislativa , Salame homenageou com a medalha Mérito Legislativo a vereadora de Marabá Vanda Américo, sua ferrenha concorrente na eleição proporcional do ano passado, cumprindo, com o gesto, promessa feita por ele durante o embate eleitoral de que depois da disputa não olharia para trás. Bom dizer que Salame e Vanda andaram se estranhando de forma acintosa. O que pode estar por trás dessas mexidas de pedras do parlamentar marabaense? Tudo o que se possa pensar, inclusive a eleição para a prefeitura marabaense, maior reduto eleitoral dos três -, Salame, Bernadete e Vanda.

Post de 

8 Comentários

  1. hiroshi

    6 de maio de 2007 - 14:15 - 14:15
    Reply

    O Salame, aqui no blog, não deixa passar batido. Vem legal, maneiro, expondo o que pensa. Sendo elegante com todos.
    Valeu, deputado…

  2. Val-André Mutran

    5 de maio de 2007 - 01:18 - 1:18
    Reply

    Apoiado João.
    O debate é importantíssimo pois, o Município está numa encruzilhada que o Papa cora se souber.

  3. João Salame

    4 de maio de 2007 - 21:00 - 21:00
    Reply

    Meus caros Hiroshy e Ademir,

    Taí um debate que eu topo. Qual o método de se fazer política.
    O fato de ter proposto à Bernadete uma agenda comum em prol de Marabá e região e de ter concedido a Medalha do Mérito Legislativo para a Vanda não pressupõe que estejamos juntos nas eleições do ano que vem. Muito menos que esteja propondo “arranjo” a qualquer uma das duas.
    Mas de uma coisa não abro mão: de dialogar com todos os que estão no campo democrático. Já tive polêmicas ásperas e públicas com o Asdrúbal. Tenho divergências com várias de suas idéias, mas sempre cultivei um bom relacionamento com ele.
    Todos conhecem minhas polêmicas e divergências com a Bernadete e a Vanda. Inclusive algumas que remontam à última eleição, na qual fomos concorrentes.
    A despeito disso não posso negar a participação de ambas no processo de redemocratização do município. Hoje, parece que não tem importância os tempos de truculência que vivemos por estas terras. Para mim, que tive de defrontar com uma ditadura, sei a importância da democracia. Inclusive para travar o bom combate contra idéias das quais discordo. E, nesse sentido, tanto a participação da Bernadete como a da Vanda merecem registro.
    Sou do tipo de homem público que fala o que pensa e assina em baixo. Não tenho medo de enfrentar nenhum debate. Mas tenho convicções democráticas profundamente arraigadas, que tem como esteio a tolerância, que não tem nada a ver com a demagogia.
    Acho que Marabá já teve prefeitos que “ouviam” muito e pouco produziam. Outros que produzem, mas pouco ouvem.
    Concordo com o Ademir: vivemos um momento crucial para Marabá. Ainda mais quando se avizinha a implantação de grandes projetos com fortes impactos no município, como o Salobo, eclusas de Tucuruí e hidrovia do Araguaia-Tocantins.
    Portanto, em relação ao processo político, sem demérito a ninguém, até porque cada momento histórico tem a personalidade que representa o nível de consciência e organização de cada sociedade, acho sim que devemos evoluir na direção de conformar um novo bloco político, formado com base num programa de transformações e com compromisso de democratizar o acesso ao poder público.
    Como deputado e filho de Marabá terei participação ativa nesse processo. Não sei se como candidato, mas certamente como articulador deste bloco. Quanto às personagens que dele participarão, é tema pra um debate mais aprofundado.
    Quanto ao anônimo das 5:13 PM, que se esconde sob o manto do anonimato, peço que, excetuando as deficiências e falhas que são inerentes aos humanos, procure alguma falha de caráter, algum desvio de conduta, alguma malandragem, algo nocivo que eu tenha praticado ao longo dos meus 25 anos de vida pública para que possa questionar com propriedade se a minha terra me merece.
    Atenciosamente,

    João Salame

  4. Anonymous

    4 de maio de 2007 - 20:13 - 20:13
    Reply

    Joao Salame, Bernadete e Vanda Americo…merecemos isso? Coitada de tu, marabá.

  5. hiroshi

    4 de maio de 2007 - 17:15 - 17:15
    Reply

    Ei, Ademir, aonde foi que eu escrevi “nova esquerda”?!
    Escrevi não, bixin.

  6. Anonymous

    4 de maio de 2007 - 14:01 - 14:01
    Reply

    O João Salame vai fritar todos com muito maciez….Ah ah ah ah!!!!!

  7. Anonymous

    4 de maio de 2007 - 12:09 - 12:09
    Reply

    mano velho, se der PT no município só restará sair do país, o suicídio ou se debandar para o crime, porque o que temos visto de Lula e Ana Júlia… Nem precisa falar.

  8. Quaradouro

    4 de maio de 2007 - 11:48 - 11:48
    Reply

    Se este é o arranjo político do que você chamou de “nova Esquerda” (ôpa! êpa!) para as eleições marabaenses de 2008, tenho pena do que teremos em substituição ao “surdo-mudo” Tião Miranda.
    Mudanças zero. E, pior, num momento crucial da história política, econômica e social deste município.
    Pobre Marabá Triste Marabá…

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *