Seagri se prepara para produzir um milhão de mudas

Publicado em 12 de maio de 2015

Informação e fotos é da lavra do jornalista João Batista da Silva:

viveiro

A parceria entre a Secretaria Municipal de Agricultura (Seagri), ICMBio e Vale, para a construção de um novo viveiro de mudas, começa a se tornar realidade. Esta semana será entregue o material da construção e adaptação do espaço.

Nesta terça-feira (12), por exemplo, chegou todo a tubulação a ser empregada na irrigação e preparo de colunas de sustentação das bancadas de suporte de tubetes. O projeto visa ampliar a produção de essências florestais e frutíferas, das atuais 60 mil para cerca de um milhão de mudas/ano.

Segundo Milton França, técnico em Agropecuária da Seagri, aquela secretaria providencia no momento a limpeza do terreno que, logo em seguida, será nivelado pela Secretaria Municipal de Obras; depois drenado para receber as bancadas. “A produção em tubetes é mais rápida e ocupa menos espaço, que o plantio em saquinhos”.

Milton observa, no entanto, que as mudas produzidas em tubetes devem ser plantadas em, no máximo, três dias depois que saem do viveiro, porque não há substrato orgânico suficiente para mantê-las por muito tempo fora do viveiro, onde são alimentadas e irrigadas regularmente.

Diante dessa situação, uma vez levantada a demanda, a entrega ao produtor deve acontecer quando a área dele estiver preparada, se possível com as covas prontas para receber imediatamente as mudas, cuja logística de transporte também será em parceria com a Seagri, que depois fiscaliza o desenvolvimento do plantio.

Como se trata de uma parceria solidificada, inclusive com todo o material necessário comprado, a empresa Líder Engenharia, responsável pelas etapas seguintes ao preparo do terreno, já praticamente pronto, pretende entregar o novo viveiro em no máximo três meses, devendo a produção de mudas iniciar até o mês de setembro.

As mudas produzidas pela Seagri destinam-se ao reflorestamento de áreas de grandes projetos da Vale/Salobo, com uma parcela para a agricultura familiar, também para recompor áreas degradadas ou produção de pomares, com objetivo de produção de frutas como o cupuaçu, açaí e outras.