Hiroshi Bogéa On line

Reitor da UFPA reage

O Reitor da UFPA, Alex Fiúza de Mello, assina nota dirigida  à comunidade universitária, a seguir exposta, contestando  O Liberal:

 

Mais uma vez, como tantas no passado e mais recentemente nas últimas semanas, o Jornal O Liberal tem divulgado notas contra o atual Reitor da UFPA absolutamente infundadas, desprovidas do mínimo critério de seriedade e de ética. Foi o caso, por exemplo, da nota caluniosa referente a um suposto favorecimento na seleção de candidatos ao Mestrado em Ciência Política da UFPA (Repórter 70, edição de 18/11/08) ou de outra nota sobre uma exoneração fictícia de um jornalista que estaria coordenando (o que não é verdade) a campanha da chapa da atual vice-reitora (Repórter 70, edição de 23/11/08). Portanto, o jornal se isenta de valores que deveriam alicerçar, como fundamento inegociável, todo jornalismo pretensamente profissional e de qualidade, que tenha por escopo o respeito da população, pela transparência da informação e da notícia, e não o temor dos leitores, pela opacidade da ameaça e da chantagem.

Diretamente interessado nos resultados eleitorais da UFPA, por vínculos sobejamente conhecidos e motivações suspeitas, o citado veículo de comunicação novamente não mede conseqüências em mentir e caluniar despudoradamente, veiculando inverdades com incomparável desfaçatez, num desrespeito não tanto à pessoa física do reitor e de seus colaboradores, mas à própria instituição universitária e à sua autonomia constitucional, matéria que, por desvio de caráter, parece definitivamente desconhecer e menosprezar.

O mínimo que se espera de um jornalismo de respeito é a fundamentação da notícia e o lastro, testado, da informação. Não é o caso. Há muito, infelizmente, O Liberal se afastou desse caminho e, não por menos, segue, notoriamente, um destino tortuoso e descendente. Pela mentira, macula o instituto democrático da liberdade de imprensa; pela irresponsabilidade, vilipendia os princípios mais nobres da cidadania e da república.

Ao que tudo indica, pela repetição sistemática das maledicências – desde que o processo eleitoral na UFPA foi deflagrado -, não será surpresa se, nos próximos dias, com o objetivo de iludir e confundir os seus leitores mais desavisados, novas investidas imorais contra a verdade dos fatos e a honra das pessoas envolvidas na campanha à reitoria ganharem destaque nas páginas fraudulentas desse jornal, já devidamente avaliado pelo IVC, numa reedição das velhas e obscurantistas táticas totalitárias e terroristas do passado, de sobrevivência obsoleta, revestida de mediocridade.

A disputa à reitoria de uma universidade pública exige, de seus pleiteantes, magnanimidade de espírito e retidão de propósitos. A utilização criminosa de veículos de comunicação para a disseminação da farsa apenas atesta a falta de estatura moral e política de seus arautos. A universidade, como instituição, é maior do que seus membros. Por isso deve ser respeitada e honrada, acima de tudo, pelos aspirantes à sua direção. Educação superior exige, de seus representantes, coerência de postura e referência ética. Não há magnificência possível fora dessa moldura.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *