Quando o cara é bom

Publicado em 24 de novembro de 2010

Duas notas publicadas no Repórter 70, de O Liberal, semana passada, necessitam de reparos, para não se cometer injustiças:

1- Ao contrário do que fica evidenciado nas publicações, quando o então vereador Wenderson Chamon (PMDB) terminou o mandato de presidente da Uvespa (União dos Vereadores do Sul do Pará), a diretoria que o sucedeu recebeu a entidade numa sede nova, totalmente equipada, adquirida em Belém pelo atual prefeito de Curionópolis, além de dois carros zero e uma moto.

Portanto, os atuais diretores são os responsáveis por terem levado a entidade (diga-se, de passagem, sem nenhuma utilidade de interesse público, a não ser servir de instrumento para a gastança de vereadores irresponsáveis) ao fundo do poço.

2- Dos 37 prefeitos associados à Amat (Associação dos Prefeitos do Araguaia-Tocantins), cuja presidência atualmente é exercida por Wenderson Chamon, apenas o prefeito  de Canaã dos Carajás, Anuar Sô (PDT), tem declarado disposição para retirar o município da entidade. Em contrapartida, o prefeito de Santa Maria das Barreiras, Odacir dal Santo (PRP), deverá ingressar na associação, nos próximos dias.

Não procede, portanto, informação de que oito prefeito estariam saindo da Amat.

Ademais, é sempre bom lembrar o produtivo trabalho desenvolvido por  Chamonzinho à frente da Prefeitura de Curionópolis, com avaliação popular beirando 86%.

É hoje, disparado, o melhor prefeito do Estado, segundo avaliação de sua população. E à frente de um município que recebe pouco mais de um milhão de reais, por mês, de repasses constitucionais – sem levar em consideração o quase nada de arrecadação própria.

Curionópolis é um dos municípios mais pobres do Pará.

Ou seja, o prefeito aplica com seriedade o dinheiro de sua comunidade.

Uma prova: em dois anos de gestão, a cidade já recebeu exatamente 17,6 quilometros de pavimentação asfáltica, metade disso, dinheiro da própria prefeitura.

Antes de Wenderson assumir a prefeitura, Curionópolis possuia apenas 5,4 Km de asfalto em suas vias.

Melhor dizendo: em 22 anos de história, os prefeitos anteriores aplicaram tão-somente 5,4 km de pavimento.

Em dois anos, o atual prefeito já fez 17.

E por que o blog escancara essa defesa  do prefeito? Para se fazer justiça, preservar valores num momento em que a maioria dos municípios paraenses é administrada por gabirus ratazanas.

Nunca se viu no Pará safra de prefeitos velhacos, finórios e  patife, como atualmente.

Quem passa por Curionópolis sente a autoestima da sua população lá em cima, vivendo momento de empolgação na expectativa de que o município tem jeito.

Esperando, cheia de esperança, a exploração, pela Vale, dos projetos Serra Leste e Cristalino, cujos efeitos,  a médio prazo, produzirão emprego e renda para uma gente sofrida.

Se pelo menos dois terços dos municípios do Pará fossem administrador por gente com o perfil de Chamonzinho, tenham certeza, leitores, esse Estado estaria bem mais desenvolvido.

Quem tiver dúvidas do que o blog registra, que passe por Curionópolis e sinta o clima de perto.