Hiroshi Bogéa On line

PT desmente compra de votos

Blog recebeu pedido de publicação de  nota do Partido dos Trabalhadores:

PT rechaça denúncia

1. Sobre a manchete do Diário do Pará deste domingo “COMPRA DE VOTOS AGITA ELEIÇÕES NO PT”, o Partido dos Trabalhadores informa aos leitores do Diário e à sociedade em geral que não existe qualquer denúncia formalizada no PT sobre compra de votos na eleição do PED – Processo de Eleições Diretas, método pelo qual a militância elege seus dirigentes em todo o país, de forma livre, democrática e direta. Por sinal, o PT é o único partido brasileiro que adota esse mecanismo de eleição direta.

2. O PED – Processo de Eleições Diretas no PT é um dos momentos mais ricos e participativos de toda a militância. Algo único na política brasileira. Em todo o país, participaram do PED quase meio milhão de filiados e, no Pará, 25 mil, sendo que, desses, 2 mil filiados e filiadas estiveram diretamente envolvidos, ou como candidatos ou integrantes de chapas, reforçando a democracia interna do PT.

3. Faz parte da história de vida e lutas do PT o repúdio a qualquer tentativa de fraude e compra de votos. Sempre rechaçamos essa prática, como também sempre rechaçamos qualquer tipo de violência à vida e à democracia. Esses são valores intrínsecos ao PT. Qualquer denúncia é apurada nas instâncias partidárias e com ampla chance de defesa de todos os envolvidos. Mas neste caso, não há denúncia, repetimos.

4. A democracia do nosso Partido incomoda muita gente, acostumada com a paz dos cemitérios, onde o dono do partido manda e o resto obedece. Ou então as bases de seus partidos apenas acompanham, pela mídia, as disputas viscerais de suas lideranças que lutam para serem ungidas como candidatos aos cargos majoritários e proporcionais, proporcionando um espetáculo, onde a criatura se volta contra o criador e vice-versa.

5. É da história do PT ter responsabilidade com a informação, ao transmiti-la à militância petista e à sociedade em geral. Assim, estranhamos que a direção do PT não tenha sido previamente procurada pela redação do Diário do Pará para checar se procedem tais informações estampadas no jornal como se fossem verdadeiras.

Ao adotar tal procedimento, o Diário do Pará incorre em grave atentado contra a ética e a democracia: primeiro atira e depois pergunta do que se trata, quando poderia ouvir a direção do PT para checar a veracidade das informações e também dar a oportunidade ética e democrática ao Partido de se posicionar antes que apenas uma versão, anônima, chegasse aos leitores.

6. Uma nota de coluna, com o DNA de uma fonte ressentida, virou manchete da edição de domingo, talvez com o propósito de dificultar a política de alianças do PT.

A quem serve isso?

Aos conservadores e seus novos aliados, que priorizam apenas obras físicas e estão incomodados com o nosso governo, tanto no plano federal como estadual, que investem fortemente na área social, criando uma rede de proteção social aos que mais precisam, aos que sempre foram desprotegidos.

7. Em nome da ética, da democracia e da transparência a direção do PT e suas lideranças esperam que o jornal dê o mesmo tratamento editorial a esta nota, com manchete da primeira página, charge e espaço na página 3. Solicitamos o direito de resposta em respeito aos leitores do Diário do Pará.

E que, doravante, quando chegarem denúncias que envolvam o Partido dos Trabalhadores, a direção desse Partido seja previamente ouvida, a fim de se garantir o equilíbrio da informação, o respeito à pluralidade de opiniões.

Atenciosamente,

João Batista Barbosa da Silva – Presidente estadual do PT

Adalberto Aguiar – Presidente do Diretório Municipal de Belém

Regina Barata – Líder da bancada estadual do PT

Airton Faleiro – Líder do Governo na Assembléia do PT

Carlos Martins – Deputado estadual do PT

Miriquinho – Deputado estadual do PT

Bordalo – Deputado estadual do PT

Bernadete ten Caten – Deputada estadual do PT

Beto Faro – Deputado federal do PT

Zé Geraldo – Deputado federal do PT

Paulo Rocha – Deputado federal do PT

Amaury Souza Filho – Líder do PT na Câmara Municipal de Belém

Alfredo Costa – Vereador da Câmara Municipal de Belém

Otávio Pinheiro – Vereador da Câmara Municipal de Belém

Marquinho do PT – Vereador da Câmara Municipal de Belém
Post de 

8 Comentários

  1. Anonymous

    1 de dezembro de 2009 - 19:46 - 19:46
    Reply

    Bom na verdadade é uma pena, veja em Abel Figueiredo… foram duas chapas escritas mas por incrivel uma sumio desapareceu escafedeu… o presidente e Vereador Joaquim que se diz do PT, não quis receber, e parecendo um coronel só a chapa dele concorreu, ou melhor foi aclamada, mas com uma preocupação dos mais de 100 filiados que lá votam só 28 votaram, que foram ele e seu irmão, o vice prefeito jadson e os 11 parentes. e os 15 sem terra, no entanto falaram 28mas10 nomes eles acresentaram… e ficou 80 companheiros filiados sem votar revoltado com a forma que foi conduzida a politica suja do PED deAbel Figueiredo, no mandato do vereador Joaquim como presidente, nunca defendeu a Governadora e nunca convidou os filiados para uma reunião…

  2. Anonymous

    1 de dezembro de 2009 - 14:38 - 14:38
    Reply

    Vereador Edvaldo Santos usa a tribuna da Câmara para dizer que apartir de hoje não faz mas parte da bancada do governo.
    Ele ficou aborecido com a retirada da assinatura do requerimento que pedia abertura da CPI da Saúde do seu colega Vereador Gerson do Badeco, foi a gota d"agua.

  3. Anonymous

    1 de dezembro de 2009 - 14:26 - 14:26
    Reply

    Quentinha! a Vereadora Julia Rosa acaba de informar no plenário da Câmara Municipal de Marabá, que o Vereador Gerson do Badeco apresentou um requerimento retirando sua ssinatura do documento que pedia abertura da CPI da Saúde.
    Que coisa feia, mas uma vez está desmoralizado o Poder Legislativo com atitudes de pessoas que não tem compromisso com a verdade, como este senhor.
    Carajaense.

  4. Anonymous

    1 de dezembro de 2009 - 14:03 - 14:03
    Reply

    Esse é um partido decente?

    A investigação do chamado "mensalão do DEM", no Distrito Federal, inclui um vídeo em que a diretora de uma empresa acusa o PPS de praticar chantagem e pedir propina para manter um contrato de R$ 19 milhões com a Secretaria de Saúde, comandada pelo deputado Augusto Carvalho, filiado ao partido. Parte do dinheiro, segundo o diálogo, teria sido destinada ao presidente da legenda, ex-deputado Roberto Freire (SP). O PPS anunciou ontem a saída da gestão do governador José Roberto Arruda (DEM), acusado de montar o esquema de corrupção que arrecadava propinas e distribuía o dinheiro entre secretários e deputados distritais da base aliada.

    PUBLICIDADE
    A declaração que compromete o partido foi feita pela diretora comercial da Uni Repro Serviços Tecnológicos Ltda, Nerci Soares Bussamra, em conversa com Durval Barbosa, então secretário de Relações Institucionais do governo e autor da gravação. No diálogo, ela afirma que Fernando Antunes, presidente do PPS-DF e subsecretário de Saúde, achacou a empresa por meio de uma auditoria nos contratos e pediu dinheiro para o PPS. Segundo ela, Antunes afirmou: "Eu só queria que vocês ajudassem o partido." A Uni Repro recebe R$ 1,6 milhão por mês para prestar serviços gráficos à pasta da Saúde.

    No vídeo, Barbosa – demitido sexta-feira, após a revelação de que havia resolvido colaborar com a investigação da Polícia Federal – pergunta a Nerci: "Mas quem é que recebe o dinheiro?" Ela responde: "Ele mesmo. Ele e o irmão dele." Barbosa volta a indagar: "O Antunes?" E ela repete: "Ele e o irmão."

    O então secretário de Relações Institucionais pergunta sobre quem faz o pagamento. "Eu e, às vezes, até o dono em São Paulo já fez, porque ele (Antunes) tem o partido lá, né?", diz Nerci. Logo depois, ela cita Freire. "Na última conversa que eu tive com ele (Antunes), ele pediu dinheiro para o partido dele, né, para ajudar o Freire em São Paulo e eu não disse não pra ele." Em outro vídeo, a empresária entrega uma sacola de loja de sapatos para Barbosa com maços de notas de R$ 100 e R$ 20. Após a contagem do dinheiro, ela deixa o local. Barbosa então se vira para a câmera de vídeo e mostra uma caixa com a dinheirama.

  5. Anonymous

    30 de novembro de 2009 - 22:01 - 22:01
    Reply

    Na verdade a compra de voto foi a olho nu, ate mesmo usaram de maquina o quanto poderiam pois o Bressan estava com as carteirinha dos filiados entregando nas casas dos filiado, isso se chama de ETICA???
    Quem e AS são simplesmente que recebem ordem e vão para onde mandão não tem opinião propia pois quem e UNIDADE NA LUTA e uma pessoa que quer simplesmente EXTATOS … quem e SOU + PT um coitado que nem mesmo a tendência e reconhecida vindo do PTPV por sacanagem que fizeram com ele.então caros filiando ainda vem dizer que foi conjuntura decente por favor vamos ter raciocínio…
    Só a DS conseguiu todos aqueles votos casa a casa não com dinheiro e outros mais e sim com uma conversa decente e mostrando quem esta no poder a quase 26 anos, ei vai dividir os trezentos e tantos votos em 4 TENDENCIA…
    PARA SE FALAR EM ETICA !! E PRCISO TER ETICA!!!

  6. Anonymous

    30 de novembro de 2009 - 21:11 - 21:11
    Reply

    Sem dúvida, a fonte do jornal é ressentida e a matéria busca atingir o PT. Mas não podemos deixar de admitir, pelo menos no Pará, uma prática que atinge de morte a democracia interna: a quitação de filiados às vésperas dos PED, uma forma dissimulada de compra de votos. E dessa prática não excluimos nenhuma corrente interna.
    Refundar o PT! Seria esta a palavra de ordem?

  7. Anonymous

    30 de novembro de 2009 - 16:48 - 16:48
    Reply

    A única verdade,é que não dá mais prá acreditar nos políticos,o dinheiro comanda tudo e todos,e é o instrumento que mantém o poder,objeto do desejo dos políticos. A nota vem assinada por políticos e não tem valor. A mentira é escandalosa. A classe está tremendamente desgastada,eu observando,tiro 02 do cesto de frutas podres de todo legislativo nacional:Pedro Simon e o senador Demóstenes(Goiás).Do executivo;ninguém escapa. O que será de nós, SIMPLES MORTAIS ? SALVEM AS CRIANÇAS !!

  8. Anonymous

    30 de novembro de 2009 - 13:53 - 13:53
    Reply

    Olha em Parauapebas misteriosamente foi quitado as obrigações estatutárias de um filiado nada menos do que R$ 8000,00 isso só de um filiado. O mesmo foi perguntado se ele tinha feito a quitação ele respondeu seguramnete que não então quem quitou?

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *