Hiroshi Bogéa On line

Provedores do Pará já podem firmar parcerias com a Telebrás para implantar Internet de banda larga

 

 

Mais uma ação para consolidar o acesso à internet de melhor qualidade e alta velocidade a baixo custo para a Região Norte será iniciada. A Telebras e a Empresa de Processamento de Dados do Pará (Prodepa) assinam amanhã (23), em Belém, o primeiro Termo de Ajuste e Plano de Trabalho, na presença do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e do governador do Estado do Pará, Simão Jatene, começando a implantação do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) no interior do estado.

“Começamos o atendimento da Região Norte em junho de 2012 com a inauguração do trecho da rede entre Imperatriz (MA) e Belém (PA). O acordo com a Prodepa é mais um importante passo para consolidar nossa presença na região, que é considerada estratégica pelo Governo Federal”, afirmou o presidente da Telebras, Caio Bonilha.

O acordo entre as empresas estende esse atendimento para outras localidades no interior e prevê que a empresa paraense ceda espaço e infraestrutura nas estações das cidades de Jacundá, Tailândia, Santa Maria, Tucuruí e Vila do Conde e um par de fibras ópticas apagadas. A Telebras, por sua vez, disponibilizará banda larga e construirá Estações de Atendimento (EAs) nas mesmas cidades.

O Termo de Cooperação Técnica com a Prodepa foi assinado em março de 2012 prevendo a integração das redes de telecomunicações federal e estadual, como também que cada empresa arque isoladamente com seus custos, não havendo, portanto, repasse de recursos financeiros.
Várias ações foram realizadas pela Telebras a fim de beneficiar a população da Região Norte do país, além do acordo com a Prodepa. Dentre elas estão as assinaturas no ano passado de Termos de Cooperação Técnica com os governos do Amapá, em junho, e de Rondônia, em agosto.

Em 10 de outubro de 2012 também foi assinado com a TIM um Memorando de Entendimento (MOU) para utilizar um par de fibras ópticas de 2.200 km da operadora no trecho entre Tucuruí/AP – Macapá/AP – Manaus/AM. Essa ação irá prover a capital do Amazonas da infraestrutura de telecomunicações necessária para a realização da Copa do Mundo de 2014.

 

Bom dizer que mais de 800 cidades no país estão prontas para receber a internet popular da Telebras.

A estrutura está construída, o que falta é um provedor regional para fechar o contrato com a empresa. A lista de cidades que já podem receber a internet do Programa Nacional de Banda Larga está disponível no site da Telebras para consulta pelos provedores interessados.

Após a assinatura de contrato, o serviço vai estar disponível para a população local em até 120 dias.Outra lista no site da Telebras informa quantas cidades já são atendidas pelo PNBL. São quase trezentos municípios em vinte estados e o Distrito Federal. A empresa fechou o ano passado com 12 mil quilômetros de redes ativadas cobrindo cerca de 900 cidades.A internet do PNBL prevê o valor de um Megabit por segundo a R$ 35 mensais ou R$ 29,90 nos estados em que não há cobrança de ICMS.

No Pará, conheça as cidades atendidas pela Telebrás em até 120 dias da assinatura do contrato. Marabá está no meio:

]Abaetetuba, Ananindeua, Barcarena, Belém. Benevides, Bonito, Breu Branco, Igarapé-Açu, Itupiranga, Jacundá, Marabá, Marituba. Moju, Nova Ipixuna, Nova Timboteua, Peixe-Boi, Ponta de Pedras, Santa Bárbara do Pará, Santa Isabel do Pará, Santa Maria do Pará, Santo Antônio do Tauá, São Francisco do Pará, São João do Araguaia, São Miguel do Guamá , Tailândia, Tucuruí

Post de 

3 Comentários

  1. Elton

    23 de janeiro de 2013 - 21:41 - 21:41
    Reply

    E em termos práticos… Quando isso começa a funcionar?

  2. Edinei

    23 de janeiro de 2013 - 20:57 - 20:57
    Reply

    a internet em barcarena e enesistente pos em mionha localidade não existe men se quer linha trlefonico

  3. Paulo

    23 de janeiro de 2013 - 19:10 - 19:10
    Reply

    Porque a fibra otica não chega as cidades de São Felix do Xingu, Tucumã, Ourilandia do Norte, Agua Azul do Norte e Xinguara. São cidades sedes de projetos minerais das empresas Vale, Anglo America, Caraibas e Codelco. No site da Vale em Ourilandia do Norte há fibras ópticas mas para uso deles da empresa Vale. Enquanto isso os provedores particulares trazem o sinal de fibras ópticas via rádio lincados por torres que vem desde Couto Magalhaes, Araguaína e Xinguarar até chegar na nossa regiao. UMA VERGONHA ESTE GOVERNO DO PARÁ. SE O CARAJAS TIVESSE PASSADO A REALIDADE SERIA OUTRA. VIVA O CARAJÁS.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *