Hiroshi Bogéa On line

Proposta de estadualização do HMI será levada a debates

A proposta de estadualização do Hospital Materno Infantil de Marabá, apresentada na Assembleia Legislativa pelo deputado João Chamon já está sobrestada.

“Eu decidi colocar a matéria em stand-by (regime de espera), depois de conversar com o vereador Pedro Correa, presidente da Câmara de Marabá, e com o médico Manoel Veloso. Vamos envolver a comunidade nesse processo, ouvindo o Conselho Municipal de Saúde, servidores públicos e até usuários. Nossa intenção é apresentar soluções para a melhoria do atendimento naquela unidade hospitalar, jamais criar polêmica”, informa o deputado João Chamon.

Como divulgado no blog, a proposta de estadualização do HMI foi criticada pelo médico Manoel Veloso.

Chamon explicou ainda que levou a matéria à plenário da AL depois de receber sugestão do presidente da Câmara de Marabá,Pedro Correa.

“O Pedrinho, meu amigo de longas datas, conversou comigo sobre  a ideia de estadualizar o HMI, narrando a respeito do funcionamento do Materno. Como ex-secretário de Saúde de Marabá, Pedrinho entende que a participação do governo do Estado na gestão do hospital trará ganhos substanciais ao atendimento da população, já que disponibiliza de mais recursos para encarar as demandas, que são várias”.

Chamon revela ainda que não houve nenhum pedido de alguém da prefeitura de Marabá no sentido de levar a proposta de estadualização à tramitação na AL.

“A ideia é do vereador Pedro Correa, com quem conversei de novo, e chegamos à conclusão de que o melhor é levar a proposta à discussão ampla, com realização até mesmo de audiências públicas, caso necessário”, disse.

Na secretaria de Saúde do município informação é de que ninguém sabia da movimentação do deputado Chamon  no sentido de legislar a gestão da HMI sob a responsabilidade do Estado.

“Nos causou surpresa a notícia de estadualização, até porque aqui na secretaria não se discutiu esse assunto”, revela pessoa próxima ao secretário Marcones José Santos da Silva.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *