Promotor vai à guerra

Publicado em 19 de fevereiro de 2008

Polícia de Marabá, durante busca na residencia do promotor José Luiz Furtado, recolheu 4 munições 1.40 milímetro; 13 balas calibre 32; 2 munições 9 milímetros; 1 bala 44 m, de uso exclusivo.

No arsenal do promotor, também três suportes para munição e 1 capa para arma de grande calibre.

Constararam também que haviam sido deflagradas 8 protéjeis em diversos pontos da casa, com marcas pelas paredes e móveis.

E numa guerra, como ninguém é de ferro, onze caixas de uisque, devidamente vazias.

Para surpresa dos policiais, diversos animais silvestres compõem também a residencia do promotor. Agentes do Ibama, acionados, efetuam o inventário do criatório.

atualização às 10:42

O promotor Luiz Furtado já está trabalhando normalmente em seu gabinete, no Ministério Público de Marabá. Na edição de hoje do Correio do Tocantins, declara que no momento em que concedia, pelo celular, entrevista ao jornal, encontrava-se no interior de seu carro dirigindo-se a Belém, onde se apresentaria ao Procurador- Chefe do MPE.

Como já despacha normalmente em sua sala de trabalho, conclui-se: 1) ou o promotor desisitiu no meio do caminho de sua viagem a Belem, retorndo à cidade; 2) ou, em verdade, ele nunca saiu de Marabá.

O blog fica com a última dedução, reforçando rumores de que ele estava realmente em sua sala do Ministério Público trabalhando durante todo o dia de ontem, enquanto a polícia corria-lacoxia por outros lugares.

O poster tenta uma entrevista com o promotor. Mais tarde, novidades aqui.