Prefeito de Marabá passeia pelas obras de seu governo com representantes da sociedade

Publicado em 10 de novembro de 2014

Prefeito explica aos convidados cada obra de seu governo, no interior do ônibus rodando pela cidade
Prefeito explica aos convidados cada obra de seu governo, no interior do ônibus rodando pela cidade

Desde o mês de abril, o prefeito de Marabá reserva seus fins de semana para realizar  tour pelos  canteiros de obras da cidade.

O “City Tour”  percorre  todos os núcleos do município, onde estão sendo executadas ações pela prefeitura.

De lá pra cá, ele já levou diversos segmentos da sociedade, como exemplo, professores, maçonaria, rotarianos (Rotary), leoninos (Lions Clube),  dirigentes da Fetagri, militâncias partidárias, lideranças comunitárias de Morada Nova, taxistas,  lideranças da Igrejas Católicas e Evangélicas – entre tantos.

Neste domingo, 9,  João Salame colocou em ônibus climatizado da secretaria de Obras mototaxistas, que percorreram os cinco Núcleos de Marabá (Cidade Nova, Nova Marabá, Velha Marabá, São Félix e Morada Nova) conhecendo os canteiros de obras que envolvem drenagem, pavimentação de ruas, construção de escolas, creches, centros de saúde, etc.

O tour durou  cinco horas.

O blogger, pela primeira vez, acompanhou as visitas, auferindo o sentimento de surpresa dos participantes do tour, diante do volume de obras em execução.

Além de se transformarem em multiplicadores  de informação, os segmentos da sociedade que já participaram das visitas registram satisfação ao conhecerem as transformações pelas quais a cidade está vivendo.

Principalmente na periferia.

Como bem disse um dos mototaxistas integrante do passeio, “antigamente, os prefeitos de Marabá mandavam as máquinas à periferia para derrubar as casas das famílias pobres. Agora, não. O Salame está mandando  máquinas para colocar asfalto, drenagem, iluminação pública”

E é verdade

O que tem de tubos (manilhas) sendo enterrados,  formando redes de drenagem jamais vista na cidade, é impressionante.

Ruas que antes não passavam nem veículos com tração devido as imensas crateras em seus cursos, estão se transformando em imensas avenidas.

Como as ruas Cuiabá, Itacaíunas, Sol do Oeste, avenida Araguaia, com duas pistas (Bairro Fanta), apenas citando algumas.

Dezenas de escolas totalmente climatizadas, até agora um total de  55 escolas, das mais de duzentas existentes em Marabá.

Antes de Salame, nenhuma escola municipal tinha salas climatizadas.

E, ele explicou aos integrantes do tour,  vai lutar para ver se consegue climatizar todas as demais escolas que faltam.

Diante do volume de obras em execução na cidade, o que mais impressiona é lembrar a situação de insolvência com a qual Salame teve de conviver, ao assumir o governo, em janeiro de 2013.

Uma prefeitura totalmente quebrada, e em pouco menos de dois anos de gestão, conseguir espalhar a quantidade de intervenções constatadas.

E um detalhe que não pode passar despercebido.

Quando Geraldo Veloso recebeu a prefeitura de Haroldo Bezerra, em 1997, ela estava saneada.

O mesmo ocorreu com Tião Miranda, ao suceder Veloso: prefeitura sem dívidas.

Na sequência, Tião Miranda entregou a Maurino Magalhães o governo totalmente saneado.

Salame não teve essa sorte.

Herdou um pepino cujas broncas não se restringiram ao primeiro ano de seu governo, quando teve que passar doze meses lutando para negociar débitos de Maurino e tirar  do Cauc o CNPJ da Prefeitura de Marabá, que impedia a contratação de convênios e financiamentos junto ao governo federal.

As bombas de efeito retardados, continuam a espocar aqui e ali.

Há quinze dias, surgiu mais um débito deixado por Maurino no valor de R$ 7 milhões, que causou  mais uma restrição junto ao CAUC, impedindo que a Caixa Econômica liberasse recursos para dar continuidade às obras de pavimentação que a  Pavinorte realiza em diversos bairros.

O prefeito disse que nesta semana, depois de negociada a pendência, pagará a primeira parcela do acerto, no valor de quase R$  700 mil, objetivando juntar outra vez as certidões negativas da Prefeitura para se habilitar à liberação de recursos federais.

A Prefeitura na gestão Salame já pagou quase R$ 60 milhões de dívidas, cujo montante daria para o poder público realizar mais de 60 km de pavimentação de vias.

O blog publica algumas fotos registradas durante a visita às obras de Marabá, neste domingo, com a participação de mototaxistas.

Creches

Até o final de 2015, Salame entregará 22 creches.

Em cem anos de fundação da cidade, as administrações anteriores não chegaram a construir esse volume de escolas de educação infantil.

Todas as creches estão sendo edificadas no padrão dessa escola em fase de conclusão no Conjunto Tiradentes, visitadas pelos convidados do prefeito.

Tour 2

Tour 3

Tour 4

Ponte do Geladinho

No bairro São Félix, a ponte do Geladinho foi toda edificada em concreto. Por mais de 20 anos moradores daquela região apelavam para que a prefeitura construísse uma ponte de qualidade, já que a de madeira existentes todo inverno sofria danos, impedindo o tráfego de pessoas por lá.

Ponte do Geladinho

Drenagem

Em todas as ruas que estão recebendo asfalto  – e aquelas a serem pavimentadas – , a drenagem é obrigatória.

Nos cinco Núcleos Habitacionais – isso sem citarmos as vilas da zona rural – a dimensão de tubulações em fase de fixação ( e as já colocadas), é extraordinária.

O blog pediu à Secretaria de Obras a extensão da rede de drenagem realizada até agora pela Prefeitura.

Tão logo o levantamento seja mostrado, estaremos publicando aqui.

Vejam algumas fotos de locais onde a rede de drenagem está sendo feita – sem falarmos daquelas já executadas e enterradas.

F27  3

F27  2

Dremagem 6

Drenagem 2

Drenagem 3Drenagem 4

Drenagem 5

Drenagem bairros

Drenagem Cecília Meireles Laranjeiras

Drenagem

 

Asfalto

374 ruas serão asfaltadas até o final de 2015.

O volume de ruas pavimentadas cresce a cada dia, nos cinco Núcleos Habitacionais – e até na zona rural.

Todas as obras, conforme prometera na campanha eleitoral, Salame tem levado para bairros da periferia.

Toda rua asfaltada  recebe, além da drenagem, meio meio. E cerca de 52 km de ruas, além desses benefícios, terão também calçadas, dos dois lados.

Asfalto F 16  3

asfalto

Asfalto 2

Asfalto 3

Macrodrenagem da Grota Criminosa

Obra de maior importância para a oferta de qualidade de vida a quem mora às margens da Grota Criminosa, a macrodrenagem do igarapé é uma realidade.

Salame teve a coragem de enfrentar os desafios que a obra sempre impôs a quem ensaiava buscar recursos para viabilizá-la, mas desisitiam no meio do caminho.

A canalização correta do córrego que corta  toda a Nova Marabá será feita em duas etapas.

A primeira etapa, em plena execução, beneficia moradores das Folhas 23 e 26.

Como as fotos mostram, ao lado do imenso canal que está sendo aberto, com a concretagem de suas laterais e leito, haverá duas avenidas.

Todas as ruas das duas Folhas 23 e 26 serão pavimentadas.

Em três meses de execução, a macrodrenagem da  Criminosa avançou bastante.

Prefeito leva mototaxistas para conhecerem a macrodrenagem da Grota Criminosa,
Prefeito leva mototaxistas para conhecerem a macrodrenagem da Grota Criminosa,

Grota Cri 4

Salame conversa com moradores da Folha 23 que residem às margens da Grota Criminosa. Futuramente terão duas avenidas em frente de suas residências: mais qualidade de vida, conforto e valorização dos imóveis.
Salame conversa com moradores da Folha 23 que residem às margens da Grota Criminosa. Futuramente terão duas avenidas em frente de suas residências: mais qualidade de vida, conforto e valorização dos imóveis.

Grota criminosa aerea 2

Plano aéreo da fase inicial  das obras da Criminosa. De um lado e outro da canalização do córrego, duas belas avenidas em fase de construção.
Plano aéreo da fase inicial das obras da Criminosa. De um lado e outro da canalização do córrego, duas belas avenidas em fase de construção.
Dimensão maior da obra. Observem o córrego desviado, correndo pelo lado direito da macrodrenagem. Ao lado direito da Grota, a Folha 23.; do lado esquerdo, Folha 26, (Fotos Áreas de  Jordão Nunes Farias)
Dimensão maior da obra. Observem o córrego desviado, correndo pelo lado direito da macrodrenagem. Ao lado direito da Grota, a Folha 23.; do lado esquerdo, Folha 26, (Fotos Áreas de Jordão Nunes Farias)

 

Como está ficando a macrodrenagem.
Como está ficando a macrodrenagem.

Grota 2

Grota 4

Grota 5