Hiroshi Bogéa On line

Prefeito de Abel Figueiredo estimula trabalho escravo

 

 

A humilhante degradação imposta ao trabalhador rural  paraense continua na ordem do dia.

Agora, quem foi flagrado na prática de trabalho análogo à  condição de escravo  foi o prefeito de Abel Figueiredo (PP), Hildefonso de Abreu Araujo, numa ação  conjunta do  Ministério Público do Trabalho com o Ministério do Trabalho e Emprego.

O gabiru mantinha  onze pessoas trabalhando em alojamentos precários, sem água potável ou alimentação sadia.

Essa figura é a mesma que disputou, nesta segunda-feira, 13, a presidência da Associação dos Municípios do Araguaia Tocantins, com o prefeito de Tucumã, Celso Cardoso (PSD).

O caratonha não se emenda: é a segunda vez que o MT flagra ele de calças curtas.

Em 2006, 21 trabalhadores já haviam sido resgatados de sua fazenda em situação de trabalho degradante.

Matéria completa, AQUI.

Post de 

14 Comentários

  1. conheço ele

    24 de fevereiro de 2012 - 23:32 - 23:32
    Reply

    seu,,hiroshi eu me encabulo,, prq o desenvolvimento q abel teve durante o mandato do hidelfonso…nao é citado de tal maneira,,,como essas armacoes,,que fazem contra ele,,,lá tem mesmo é um bando de invejosos a sua oposiçao,,a muito tempo q vem armando fatos nao existentes,,,aposto q vc nao conversou com nenhum trabalhador publico da cidade para saber do avanço q Abel teve durante esses 07 anos,,,agora a opsiçao nao tem forma justa de ganhar uma eleição e fica cassando algo para defamar o prefeito hidelfonso,,, passar bem,aprenda a fazer seu trabalho cm competencia!!!

  2. Sadam hulsem

    16 de fevereiro de 2012 - 23:35 - 23:35
    Reply

    Então, tudo é armação.. imagina, as coisas absurda que falam do prefeito, até envolvimento na morte da Freira o povo comenta em Abel Figueiredo, a questão do Bispo Dom Ervelim, um avião que foi aprendido em Belém, segundo os invejosos, carregava o tal do pó, a 2º vez que é pego pela justiça com trabalho escravo, bom isso tudo o povou para armou para ele, sem falar na eleição fraudulenta que ocorreu em Abel, e as pessoas que ele mandou para o presidio durante 30 dias, veja aqui algum depoimento de pessoas que foram vitima dele, ainda fala que é calunia,, clique no linque ou copie ele
    http://www.youtube.com/watch?v=MNxczliB5n4&feature=related
    bom então tudo é invenção minha gente..

  3. Justiceiro

    15 de fevereiro de 2012 - 20:54 - 20:54
    Reply

    O Prefeitinho está com o rabo de palha queimando.

  4. Olhar Feminino

    15 de fevereiro de 2012 - 16:39 - 16:39
    Reply

    (muitos risos), não havia me atentado aos adjetivos do texto. Mas lendo o comentário da Maria Neves e após o seu mais cedo, eu não pude me conter. Chegando em casa para o almoço, fiz uma pegadinha com minhas filhas. Perguntei a elas o que era gabiru e caratonha. Minha filha mais nova achando logo que se tratava de uma disputa para ver quem descobria primeiro, correu na mochila e pegou o chamado “pai dos burros”, depois de uns cinco minutos procurando o significado no dicionário, veio correndo na cozinha, “mamãe eu sei, eu sei mamãe… é um rato de cara feia” (muitos risos), nessa hora eu não aguentei. Ela esperta como é tratou logo de fazer uma junção!!! Foi muito divertido!

    • Hiroshi Bogéa

      15 de fevereiro de 2012 - 17:51 - 17:51
      Reply

      “Rato de cara feia”, deve ser assustador. Sua filha conseguiu consagrar, numa imagem verbalizada, o verdadeiro significado do post. As crianças, como sempre, sábias.

  5. Maria Neves

    14 de fevereiro de 2012 - 15:58 - 15:58
    Reply

    Hiroshi vc deveria ter pelo menos a descência de postar uma notícia q seja verídica e, parar de falar esses adjetivos horríveis como gabiru e caratonha sem conhecer realmente a pessoa da qual vc esta citando, como oposição e inveja do prefeito Hidelfonso. Tudo que consta no meio jornalístico não é mais do mero falso testemundo, até porque não provaram nada! Teve o episódio sim da inspeção, quando um sem o que fazer foi denunciar uma coisa que não estava acontecendo, palavras ditas dos próprios trabalhadores, onde estavam trabalhando sem pressão nenhuma e recebendo pelo trabalho merecido. E pro seu governo o total de trabalhadores que vinheram de outra cidade eram 11, mas apenas 5 trabalhadores estavam na fazenda, os outros 6 estavam em outra fazenda. Mas como eu disse antes, tudo isso foi armado, infelismente muitas pessoas ,inclusive pessoas no meio da área policial e do Estado trabalham com propinas, e foram eles mesmo q com a intenção de incrimar o Hidelfonso levaram os outros 6 da outra fazenda para lá. O problema é que vcs não sabem realmente do acontecido e ja vão jogando pedras, não sabe a historia verdadeira! Pra mim isso não passa de invejosos. Como diz uma frase que eu gosto muito: Suas qualidades são conhecidas por pessoas que te conhecem, e seus defeitos são apontados por “pessoas” q gostariam de ser iguais á vc. PASSAR BEM!

    • Hiroshi Bogéa

      14 de fevereiro de 2012 - 17:02 - 17:02
      Reply

      Relaxa, Maria. Você tem todo o direito de defender o prefeito, mas ele é recorrente nesse crime, constatado não pela imprensa – mas pelos órgãos de fiscalização do Ministério do Trabalho. E quem comete barbaridades desse nível, não passa mesmo do adjetivo aplicado: gabiru e caratonha.

  6. Olhar Feminino

    14 de fevereiro de 2012 - 11:52 - 11:52
    Reply

    Prezado Hiroshi, uma vez fiz um estudo sobre o trabalho escravo na Amazônia. O Pará, é o líder de exploração da mão de obra escrava, não só no norte, mais em todo o país. É vergonhoso, quando a CPT revela os dados de seus relatórios. O mais intrigante é que os exploradores quase nunca são julgados por esses crimes. Essa pesquisa revelou também que o maior índice de trabalho escravo está nas fazendas do estado. Infelizmente, a pecuária, uma atividade que era pra ser orgulho do Estado, é uma das que mais contribui para esse cenário vergonhoso. Alguns fazendeiros já foram condenados, mas o número é insignificante em relação aos processos, além de que, mesmo condenados, cumprem pena em regime semi aberto. Já o trabalho escravo infantil, o maior número registra-se nas carvoarias.
    Isso é vergonhoso, ainda mais vindo de um gestor, a quem compete apoiar e combater esse tipo de crime.

  7. Camila

    14 de fevereiro de 2012 - 11:34 - 11:34
    Reply

    É uma vergonha que isso ainda possa existir em nosso País, como uma pessoa, sendo prefeito de uma cidade, pode deixar seres humanos em situações tão degradantes? O mais absurdo é que essa pessoa, depois de constar na lista suja de trabalho escravo e ainda fazer parte dela, permanece sendo prefeito de uma cidade.

  8. Anônimo

    14 de fevereiro de 2012 - 10:32 - 10:32
    Reply

    Sr. Hiroshi Bogea

    Eu não sei sobre trabalho escravo, mais que a fazenda citada é de propriedade do sr.prefeito é sim.

    Ele possui varias propriedades rurais em Abel Figueiredo e Rondon do Pará.

    Os irmãos são apenas funcionarios dele em suas empresas.

  9. A VERDADE

    14 de fevereiro de 2012 - 09:41 - 9:41
    Reply

    Hiroshi

    Assisti materia jornalistica que fala que o proprietario da citada fazenda seria um irmão do prefeito, isso somente se for no papel, por que de fato a propriedade é do prefeito, todos sabem disso em Abel Figueiredo.

  10. anônimo

    14 de fevereiro de 2012 - 07:35 - 7:35
    Reply

    Era esse cara, que os prefeitos queriam como presidente da AMAT,entidade que outrora era tida com refência no Pará, hoje,e com o resultado da ultima eleição,fica evidente sua insolvência.

  11. Mulher Ofendida

    14 de fevereiro de 2012 - 04:55 - 4:55
    Reply

    O senhor esqueceu

    Hiroshi Bogéa

    fevereiro 12th, 2012 at 9:54
    Mulher Ofendida, tenha certeza de que “uma palavrinha” será dita, sim, aqui no blog sobre o episódio. Não se avexe. Me ausentei, de novo, neste domingo, da cidade, e retorno só no início da noite, quando farei uma avaliação desse fato. Abs

    E ainda tirou o que postou na Fran

    • Hiroshi Bogéa

      14 de fevereiro de 2012 - 10:19 - 10:19
      Reply

      Não postei nada na Fran, Mulher Ofendida.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *