Hiroshi Bogéa On line

Preciosidades do sistema prisional

 

 

Prisão de banqueiro no Brasil é coisa rara.

Manutenção de banqueiro preso na cadeia por mais de 48 horas é algo jamais visto.

Pois na semana que passou as facilidades das leis brasileiras beneficiaram também bandidos de alta rotatividade criminosos, auferindo lucros a um sobrinho de Fernandinho Beira-Mar, conhecido no mundo do crime carioca como Jean Junior da Costa Oliveira.

O rapaz permaneceu na cadeia pouco mais de 48 horas, liberado, segundo a juíza responsável pelo caso, por não ter sido preso em flagrante, não obstante o criminoso ter sido reconhecido por um policial na hora em que estava havendo o entrevero do sequestro  a um ônibus, na avenida Presidente Vargas, no Rio.

Post de 

1 Comentário

  1. Karla Muaés

    15 de agosto de 2011 - 19:05 - 19:05
    Reply

    E a gangue do Ministério do Turismo que nao ficou presa nem 24 horas? Isso é uma vergonha gente! Isso é um tapa na nosa cara !
    Sonhamos em ter uma vida melhor, estudando muito para fazer valer o sacrificio que meu pai esta fazendo pra pagar minha faculdade, mas desse jeito nao sei não!
    Mas a culpa é nossa, nao é do Juiz não! À Justiça, cabe fazer cumprir as leis que potlíicos desonestos escrevem ja pensando em um dia se beneficiar delas.Porisso precisamos aprender a votar. Essa história de dizer > “não tenho opção por que todos roubam” ou que” rouba mais faz”´tem que acabar.!
    A gangue do Ministério dos Transportes tem que devolver tudo aquilo que foi desviado. Nossa região precisa de Rod. 163, mas cadê a verba?
    No caso do Grupo OK, o ex senador Luiz Estevão devolveu 55 milhões do que foi desviado, pasmem, carissimos . mas aconteceu! Está na Veja do dia 20.07.2011
    Vamos brigar pelo fim da lei kandir, que se apossa de nossos royaltes, Vamos brigar por mais verbas e exigir que os ficha sujas sejam condenados e que devolvam aquilo que nao faz tanta falta. Mas tudo so pode ser mudado pelos politicos que elegemos porque só eles podem mudar as leis.
    Boa semana… e obrigada pela informação!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *