Pra não bater mais em mulher

Publicado em 22 de fevereiro de 2012

 

 

Acaba de ser aprovado na caixa de comentários do post A constitucionalidade da Lei Maria da Penha, texto do professor e blogueiro Alan Souza, com sugestiva sentença àqueles que costumam violentar mulheres.

Ao que diz o comentarista:

 

 

Hiroshi, Mano Velho, eu tenho uma ideia antiga sobre homens que espancam mulheres. É uma ideia indigna de um advogado, um homem civilizado e educado como eu. Mas ela não me abandona, juro que já tentei me livrar dela e não consigo!

Pois bem, a ideia é a seguinte: o sujeito que agride uma mulher deveria ser colocado num ringue, estilo Vale-Tudo, com uns três lutadores profissionais contra ele.

O agressor de mulheres, que é “pura valentia”, que gosta de bater em mulher, porque não lhe dar a oportunidade de extravasar sua valentia contra alguém do tamanho dele? Ou nas mesmas condições de igualdade?

Termino com um pequeno texto do Programa Margarida, do HRAN (Hospital Regional da Asa Norte), daqui de Brasília, que atende mulheres vítimas de violência física, psicológica ou sexual:

“Tome muito cuidado ao fazer chorar uma mulher, pois Deus conta suas lágrimas!

A mulher saiu da costela do homem, e não dos pés, pra ser pisoteada, nem da cabeça para ser superior, mas do seu lado, para ser igual.

Debaixo do braço, pra ser protegida.

E ao lado do coração, pra ser amada.”