Hiroshi Bogéa On line

Potencial apoio político de Lula é maior que o de Dilma

 

 

Apesar de não se encontrar mais no poder, a figura de Lula potencializa, politicamente, candidaturas bem mais que a da presidente Dilma Roussef.

A pesquisas Doxa revela esse detalhe.

No quesito Potencial de Apoio de Lideranças Política, ou seja, àquela pergunta, “se a eleição fosse hoje e o ex=presidente Lula lhe pedisse para votar em determinado candidato você daria seu voto a ele?”, o potencial de eleitores favorável a esse pedido é bem alto.

Em Marabá, as  chances do candidato ganhar o voto pedido por Lula são maiores quatro pontos a uma solicitação de Dilma.

Veja o gráfico do resultado dessa consulta.

 

 

ESTADO DE CARAJÁS

Pesquisa oferece outra descoberta significativa, quanto a luta pela criação do Estado de Carajás.

 

Apenas 13% da população entende que o deputado Tião Miranda participou da luta, enquanto seu adversário na eleição municipal, João Salame, é visto por 70% da população como o líder da batalha  emancipacionista.

Por seu lado, governador Simão Jatene é identificado por 80% da comunidade como também  adversário da criação do novo Estado.

 

 

Post de 

5 Comentários

  1. Djalma Guerra

    18 de setembro de 2012 - 17:28 - 17:28
    Reply

    A muito tempo não lia uma cronica tão boa e racional como a que foi escrita pelo Guilherme acima . Quanto ao julgamento por parte do STF tenho assistido e acredito que o tribunal esta jogando para a plateia e imprensa que esta sedenta de sangue como nos tempos da Roma antiga.
    O STFesta julgando baseado na sua maior parte na teoria do ACHISMO e não em provas concretas e irrefutaveis onde o ministro Joaquim Barbosa esta querendo aparecer a qualquer custo , infelizmente o mesmo sera o proximo presidente do STF.

  2. João Dias

    18 de setembro de 2012 - 13:14 - 13:14
    Reply

    Dura lex, sed lex

    Registramos que o fenômeno do “mensalão” é aqui examinado sob o ângulo dos fatos, processado e julgado com base em normas jurídicas.

    Nesse sentido, para surpresa de grande parte da sociedade, na manhã deste dia, jornalista televisivo dos mais renomados comentou: “Não é da tradição do Judiciário, ministros nomeados pelo governo condenar políticos […] a certeza da impunidade, do não vai dar em nada era tamanha que, um dos denunciado, se candidatou a prefeito de município paulista, mas, desde já condenado, renunciou à disputa.

    Na constatação de André Singer, o “lulismo”, merece outras considerações:

    “[…] O lulismo existe sob o signo da contradição. Conservação e mudança, reprodução e superação, decepção e esperança num mesmo movimento. É o caráter ambíguo do fenômeno que torna difícil a sua interpretação. No entanto, é preciso arriscar os sentidos, as resultantes das forças em jogo, se desejamos avançar a compreensão do período. Faço a minha aposta principal em forma de pergunta, pois o processo ainda está em curso: a inesperada trajetória do lulismo incidirá sobre contradições centrais do capitalismo brasileiro, abrindo caminho para colocá-las em patamar superior? […]”
    Os Sentidos do Lulismo: Reforma Gradual e Pacto Conservador
    Autor: André Singer
    Editora: Companhia das Letras
    Páginas: 280
    Quanto: R$ 24,50 (preço promocional*)
    Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

    Nota do autor: Não é filiado a qualquer partido. Nesse sentido, reitero pela publicação do comentário que, entendo, de interesse do cidadão que prima por justiça e cidadania.

  3. Leia 2 veses

    18 de setembro de 2012 - 11:17 - 11:17
    Reply

    Vocês marqueteiros do TIÂO deviam conhecer mais MARABÁ e sua história.Em 1957 na segunda maior cheia conhecida na região, eu e meus pais encostamos de barco na rampa do Hospital SESP, hoje Materno Infantil , para sermos vacinados e pegar remédio, naquela época já tinha medicamento.Hoje na propaganda do candidato do Tião do NÂO fala que construiu o Materno Infantil em Marabá . Só falta eles falarem que Tião do NÂO inventou a roda. .Estes caras também devem ser do Jatene do NÃO , contra o estado de CARAJÁS .Você duvida ?? Eu voto no JOÂO do SIM 23

  4. anonimo

    17 de setembro de 2012 - 20:34 - 20:34
    Reply

    Levando em conta o comportamento arrogante que o candidato Tião esta praticando nesta eleição agindo como se tivesse a eleição nas mãos fugindo dos debates e entrevistas feitos pelos meios de comunicação e sindicato dos professores o mesmo esta dando um tiro nos pes. Tal comportamento podera respingar na sua candidatura a reeleição como deputado ja que para prefeito o mesmo ja perdeu.
    Hoje Tião não tem mais a maquina municipal para usar a favor de sua canditatura fato este que o beneficiou nas duas eleições que participou sendo que o mesmo recebeu esta maquina com a morte do Dr. Veloso.
    Pensei que o Tião e seus assessores fossem mais inteligentes pois o povo não e burro.

  5. Guilherme

    17 de setembro de 2012 - 18:46 - 18:46
    Reply

    “Há um provérbio popular alemão que reza: “você bate no saco mas pensa no animal que carrega o saco”. Ele se aplica ao PT com referência ao processo do “Mensalão”. Você bate nos acusados mas tem a intenção de bater no PT. A relevância espalhafatosa que o grosso da mídia está dando à questão, mostra que o grande interesse não se concentra na condenação dos acusados, mas através de sua condenação, atingir de morte o PT.

    De saída quero dizer que nunca fui filiado ao PT. Interesso-me pela causa que ele representa pois a Igreja da Libertação colaborou na sua formulação e na sua realização nos meios populares. Reconheço com dor que quadros importantes da direção do partido se deixaram morder pela mosca azul do poder e cometeram irregularidades inaceitáveis.

    Muitos sentimo-nos decepcionados, pois depositávamos neles a esperança de que seria possível resistir às seduções inerentes ao poder. Tinham a chance de mostrar um exercício ético do poder na medida em que este poder reforçaria o poder do povo que assim se faria participativo e democrático.

    Lamentavelmente houve a queda. Mas ela nunca é fatal. Quem cai, sempre pode se levantar. Com a queda não caiu a causa que o PT representa: daqueles que vem da grande tribulação histórica sempre mantidos no abandono e na marginalidade. Por políticas sociais consistentes, milhões foram integrados e se fizeram sujeitos ativos. Eles estão inaugurando um novo tempo que obrigará todas as forças sociais a se reformularem e também a mudarem seus hábitos políticos.

    Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT? Há muitas razões. Ressalto apenas duas decisivas.

    A primeira tem a ver com uma questão de classe social. Sabidamente temos elites econômicas e intelectuais das mais atrasadas do mundo, como soia repetir Darcy Ribeiro. Estão mais interessadas em defender privilégios do que garantir direitos para todos. Elas nunca se reconciliaram com o povo. Como escreveu o historiador José Honório Rodrigues (Conciliação e Reforma no Brasil 1965,14) elas “negaram seus direitos, arrasaram sua vida e logo que o viram crescer, lhe negaram, pouco a pouco, a sua aprovação, conspiraram para colocá-lo de novo na periferia, no lugar que continuam achando que lhe pertence”.

    Ora, o PT e Lula vem desta periferia. Chegaram democraticamente ao centro do poder. Essas elites tolerariam Lula no Planalto, apenas como serviçal, mas jamais como Presidente. Não conseguem digerir este dado inapagável. Lula Presidente representa uma virada de magnitude histórica. Essas elites perderam. E nada aprenderam. Seu tempo passou. Continuam conspirando, especialmente, através de uma mídia e de seus analistas, amargurados por sucessivas derrotas como se nota nestes dias, a propósito de uma entrevista montada de Veja contra Lula. Estes grupos se propõem apear o PT do poder e liquidar com seus líderes.

    A segunda razão está em seu arraigado conservadorismo. Não quererem mudar, nem se ajustar ao novo tempo. Internalizaram a dialética do senhor e do servo. Saudosistas, preferem se alinhar de forma agregada e subalterna, como servos, ao senhor que hegemoniza a atual fase planetária: os USA e seus aliados, hoje todos em crise de degeneração. Difamaram a coragem de um Presidente que mostrou a autoestima e a autonomia do país, decisivo para o futuro ecológico e econômico do mundo, orgulhoso de seu ensaio civilizatório racialmente ecumênico e pacífico. Querem um Brasil menor do que eles para continuarem a ter vantagens.

    Por fim, temos esperança. Segundo Ignace Sachs, o Brasil, na esteira das políticas republicanas inauguradas pelo do PT e que devem ser ainda aprofundadas, pode ser a Terra da Boa Esperança, quer dizer, uma pequena antecipação do que poderá ser a Terra revitalizada, baixada da cruz e ressuscitada.

    Muitos jovens empresários, com outra cabeça, não se deixam mais iludir pela macroeconomia neoliberal globalizada. Procuram seguir o novo caminho aberto pelo PT e pelos aliados de causa. Querem produzir autonomamente para o mercado interno, abastecendo os milhões de brasileiros que buscam um consumo necessário, suficiente e responsável e assim poderem viver um desafogo com dignidade e decência.

    Essa utopia mínima é factível. O PT se esforça por realizá-la. Essa causa não pode ser perdida em razão da férrea resistência de opositores superados porque é sagrada demais pelo tanto de suor e de sangue que custou.”

    *Leonardo Boff é teólogo, filósofo, escritor e dr.h.causa em politica pela Universidade de Turim por solicitação de Norberto Bobbio.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *