Poeta apaixonado

Publicado em 31 de julho de 2009

Quando a paixão chega, o poente convida, faz charme. E se coloca como berço sagrado pros amantes da tarde virarem olhinhos em beijos.


Quando a paixão chega, qualquer hora é hora de flanar.


Numa esquina, numa praça, o sorvete tem todos os gostos de mansião – quando a paixão chega.


Invadindo a calma dos dias banais, a paixão quando chega denuncia o olhar delirante de sedução.