Hiroshi Bogéa On line

Poderosamente emocionante

Pule de dez quem já ouviu falar de algum despacho da juíza de Direito de Marabá Maria Aldecy Pissolati que não cause pesadas cargas de emoção. Nossa honrada Meritíssima Juíza, tantas já vividas, tem a capacidade de nos brindar, quase sempre, assim, de frente pra vida, com decisões polêmicas de causar furor.

Como o recente deferimento de liminar, a pedido do Ministério Público, determinando à Procuradoria Geral do Estado entregar cópias dos procedimentos de desapropriação da Gleba Quindangues, local escolhido para construção da siderúrgica da Vale, sob iminente uso de forças policiais para apreender os documentos.

Tantas emoções, pouca importa se a decisão possa romper sigilo e inviolabilidade da instituição.

Em verdade, por trás desse imbróglio (perdão, leitores, pelo palavrão!) há motivações que nossa vã filosofia consegue abarcar. Ou compreender. E atitudes de menos.

O resto… “o importante é que emoções eu vivi”.

Post de 

4 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    15 de outubro de 2009 - 12:09 - 12:09
    Reply

    Ó Metralha, entendo perfeitamente tua preocupação em defender a Douta Juíza de Direito de Marabá. Pela tua “tese de mestrado”, entendo perfeitamente. Perfeitamente. Ainda bem que tu "sentiste" ao avesso o conteúdo do post. Compreensão "tosca", Metralha. Eh eh eh eh

  2. Metralha

    15 de outubro de 2009 - 11:46 - 11:46
    Reply

    Hiroshi, realmente voce é alheio ao processo que tramita sobre este assunto.

    Você tem pessimos informantes no forum de marabá ou então não comprendeu o despacho da meritissima.

    Acontece que o governo de D. Ana desapropriou uma área de outro autor e não os donos de fato ou seja, a desapropriação é legitima mas, pela cadeia dominial foi feita em nome do antecessor para ser mais simples de entendimento.

    As decisoes dos magistrados, pelo contrario, não há sentimentalismo. Acho que se voce vê somente papel a sua frente voce não tem nenhum tipo de emoção e sim da lei e da razão.

    Desta maneira tenho acompanhado as decisoes de alguns magistrados que pela minha tese de mestrado não veem e nãopodem ver o lado pessoal ou humana senão realmente a emoção aflora e isto eles não podem ter para preservar a imparcialidade.

    Entendam como puderem mas, emoção só no entendimento dos toscos
    em seus comentarios maldosos que imaginam coisas mirabolantes para descarregarem aqui.

    Abraços,

  3. gilmar

    11 de outubro de 2009 - 10:49 - 10:49
    Reply

    CARO HIROSHI,

    TENHO VISITADO SEU BLOG E VEJO ALGUMAS CITAÇÕES COERENTES E OUTRAS NEM TANTO.

    QUERO AQUI ENALTECER A CORAGEM DOS PROMOTORES E EM ESPECIAL DA MARABAENSE DRA JUIZA DE DIRETO DA 3a VARA MARIA ALDECY – INDEPENDENTE DE CREDO OU RELIGIÃO – QUE VEM SENDO BOMBARDEADA DE TODOS OS LADOS POR SER SEVERA OU JUSTA EM SEUS ATOS JURIDICOS UMA VEZ QUE NÓS BRASILEIROS NÃO ESTAMOS ACOSTUMADOS COM ISTO.

    QUEREMOS,NÓS BRASILEIROS, É DAR UM "JEITINHO" E NÃO SERMOS JUSTOS PARA COM O CONTRIBUINTE E COM NOSSOS PÁRIAS.

    A JUIZA MARIA LADECY É DE MARABÁ.PRATA OU MELHOR OURO DA CASA. INDEPENDENTE DAS AÇÕES DELA, QUE POR NOSSO ANGULO ACHAMOS DÚBIO, MERECE NOSSO RESPEITO PELA TRAJETORIA DE VIDA E DE PROFISSIONALISMO.

    TEMOS QUE NOS UNIR – MARABAENSES – POLITICOS, EMPRESARIOS,LEGISLATIVO E JUDICIARIO PARA EM PROL DOS MUNICIPES DESENVOLVERMOS UMA POLITICA MAIS HUMANA.

    TEM POLITICO GRANDE DO SEBRAE E DEPUTADO DE MARABÁ QUE DIZ PROS QUATRO CANTOS DA CIDADE QUE A TIROU DO FORO ELEITORAL. UMA INVERDADE VISTO QUE OS MAGISTRADOS – SABE BEM VOCE – TEM MANDATO DE 2 ANOS.

    ENTÃO DEIXEMOS DE LADO ESTAS PICUINHAS DOS IDOS DA DECADA DE 80.

    DESCULPE O DESABAFO, MAS, NÃO GOSTO QUE FALEM MAL DO MEU POVO SOFRIDO.

    GILMAR RIBEIRO – MARABAENSE DE NASCIMENTO.

  4. Anonymous

    9 de outubro de 2009 - 23:06 - 23:06
    Reply

    O que não dá pra entender é porque cargas dágua processo de desapropriação tem sigilo. É no mínimo esdrúxulo. Daí que qualquer idiota pode concluir que os motivos inconfessáveis estão do lado do dr Ibrahim, não da dra Maria Aldecy.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *