Hiroshi Bogéa On line

Platéia sonolenta

Quase todos os personagens que se encontravam na primeira audiência sobre a criação do Distrito Florestal de Carajás, inclusive gente do staff de Ana Julia, foram unânimes: muita tímida a proposta exibida pelo governo federal. Tão tímida que não empolgou ninguém. Só lero-lero e repetição de bordões pra encher lingüiça.

Post de 

3 Comentários

  1. Bia

    16 de maio de 2007 - 04:10 - 4:10
    Reply

    Eu acho que entendi.

    Ou será que não?

    Mas eu tô com sono.

    A gente pode retomar o papo amanhã?

    ….rsrsrs…

    Abração

  2. hiroshi

    16 de maio de 2007 - 02:48 - 2:48
    Reply

    Bia, não podia descansar esta noite depois de um dia intenso, sem te responder. O teu jeito suave de articular a vida, enquanto vivestes Marabá e origens, me ensinou também a refletir sobre este lugar, as vezes nebuloso, alienado em determinados pontos de seus Núcleos, demasiadamente poética distante do lugar comum. Eu sempre fui também “desconfiado das boas intenções a nosso respeito e bastante irritado com a velha e nova visão do Pará como uma nebulosa ‘coisita mas’ perdida nessa Amazônia tal. Viver preguiçosamente o lugar, por si basta um Distrito de qualqiuer coisa. O resto, é jóia. Entendestes? nem eu!
    Beijos

  3. Bia

    15 de maio de 2007 - 12:02 - 12:02
    Reply

    Caro Hiroshi,

    a vida nada fácil tem contribuído para que eu não consiga acompanhar do jeito que gosto o seu blog e, menos ainda, os estranhos caminhos que fatalmente levarão à criação do DFS de Carajás.

    Em que pesem os fatos positivos, se houverem, esta é uma “simpática” neo-federalização do território paraense e isto, por si só, é grave.

    A exemplo da criação do DFS da BR-163, após pífias e confusas audiências na região, o que está presente são interesses nacionais que, no caso do Pará, vivem colidindo com os interesses regionais.

    O MMA criou um link específico para o serviço florestal (http://www.servicoflorestal.gov.br/)
    e dentro dele um que “explica” o DFS de Carajás (http://www.servicoflorestal.gov.br/)

    Vale uma lida, ainda que pouco esclarecedora, salvo os mirabolantes números que farão a nossa felicidade para sempre, como bons crentes que somos.

    Adianto que ando muito desconfiada das boas intenções a nosso respeito e bastante irritada com a velha e nova visão do Pará como uma nebulosa “coisa” perdid dentro da tal Amazônia.

    Mas, concordo com você: quanto mais desencanto e preguiça tivermos, mais o trem ganha velocidade e nos atropela.

    Um forte abraço

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *