Hiroshi Bogéa On line

Pequenos deslizes

Não tem procedência afirmativa da Cosipar, em nota enviada à imprensa, de que a interrupção dos incentivos fiscais à empresa recomendado em relatório do governo do Estado tornará inviáveis projetos em fase de implantação para a verticalizaçao da cadeia produtiva do minério, “como a produção de peças a partir do beneficiamento do ferro-gusa”. Quem está sendo punida é a Cosipar.
A Usipar, outra empresa do grupo de Luiz Carlos Monteiro, em fase de implantação em Barcarena, é quem tocará a indústria de transformação. Esta não foi incluída no relatório. Pelo menos por enquanto.

Post de 

5 Comentários

  1. hiroshi

    21 de junho de 2007 - 20:14 - 20:14
    Reply

    Caro anonimo 2:49 – De nada adianta mexer em publicidade agora e em projetos sociais. Primeiro, o setor tem que investir, e muito, em reflorestamento, passando por projetos sociais. Segmentados esses projetos, aí já se pode pensar em marketing.

  2. Anonymous

    21 de junho de 2007 - 17:49 - 17:49
    Reply

    Soube que ,entre os industriais do setor o mexido é grande. Uma decisão já teria sido tomada: investir em publicidade , projetos sociais e o fundamental: reflorestamento. É fonte segura nego.

  3. Anonymous

    21 de junho de 2007 - 00:21 - 0:21
    Reply

    A Cosipar está ha mais de 20 anos enganando as autoridades e estimulando a destruição da floresta. Tem mais é que obrigar esse empresa a reflorestar, cobrando dela o ônus causado.

  4. hiroshi

    20 de junho de 2007 - 15:38 - 15:38
    Reply

    A Sectam é pouco. A polícia é pouco. O modelo está todo errado. Os caras faturam mundos & fundos às custas de igarapés, árvores, exploração de mão de obra barata, concentrando riquezas nas mãos de uma elite de predadores.

  5. Juvencio de Arruda

    20 de junho de 2007 - 14:59 - 14:59
    Reply

    Sim, Hiro, e se inviabilizar? Qual é o problema? Mas que cara de pau!Então o meio ambiente pode inviabilizar? O trabalho escravo pode viabilizar, mediante a compra de carvão ilegal obtido ás custas dessa “modalidade” de relação trabalhista?
    O lucro é qu não pode ser inviabilizado, dane-se o resto.
    Só a SECTAM é pouco.
    A Policia tem que entrar na questão, Hiro.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *