Hiroshi Bogéa On line

Pelas portas do fundo

A ex-diretoria do Iterpa cometeu deselegante comportamento ao negar-se dar posse ao novo presidente do órgão.

Quem conta é o advogado Plínio Pinheiro Neto em emeio enviado ao blog, no qual narra sua decepção com o fato. “Não esperava que a diretoria do Iterpa não estivesse côscia, até o último momento, das responsabilidades funcionais”, diz o colaborador, reproduzindo, em seguida, matéria publicada no Diário do Pará:

No Iterpa, ninguém passou o cargo a Lamarão


Não havia nenhum diretor no Instituto de Terras do Pará (Iterpa) para receber e dar posse, na manhã de ontem, ao novo presidente do órgão, o procurador do Estado Carlos Lamarão. Até às 15h não apareceu ninguém no gabinete do presidente para empossá-lo. O clima era constrangedor e Lamarão, por vários momentos, parecia personagem da peça “Esperando Godot”, do dramaturgo irlandês Samuel Beckett.

A expressão “Esperando Godot” era bastante utilizada em tempos passados para indicar algo impossível, ou uma espera infrutífera. O enredo baseia-se na falta de comunicação entre os personagens e na pausa do silêncio da espera de algo que não se resolve.

Cansado de esperar o que não iria ocorrer, como na peça de Beckett, o próprio presidente redigiu o termo de transmissão do cargo. “designado que fui pelo governador Simão Jatene para assumir a presidência do Iterpa, compareci às 11:30, deparando-me com uma situação de acefalia, já que nem o sr. presidente anterior, nem qualquer outra pessoa por ele indicada, ou por algum de seus diretores, se apresentou para fazer a transmissão de cargo”, diz Lamarão no documento.

Como testemunhas, assinaram o termo nove antigos servidores do Iterpa, que receberam o presidente de maneira efusiva, ainda na calçada do prédio, saudando seu retorno ao órgão onde atuou como advogado, presidente e procurador do setor jurídico por mais de 30 anos. Os servidores subiram com ele até o gabinete da presidência.

Ao DIÁRIO, o presidente lamentou a ausência de diretores, dizendo que a transmissão de cargo seria o momento em que ele poderia receber as informações necessárias de quem está deixando o órgão para saber como está o Iterpa.

“Fui obrigado a lavrar o termo de posse do cargo para todos os fins de direito, inclusive a cobrança de responsabilidades por eventuais prejuízos ou ônus decorrentes dessa vacância administrativa”.

Quando estava no gabinete que passará a ocupar, Lamarão viu em cima da mesa um papel assinado pelo ex-diretor José Maria Conduru Hesketh grampeado com uma chave que continha as senhas do órgão. Conduru não esperou Lamarão para entregar-lhe as chaves, mas dizia que ficou no Iterpa até as 9h10.

O ex-chefe da assessoria da presidência do governo passado, Girolamo Trecanni, ligou para o gabinete e falou com uma assessora, transmitindo ao presidente um recado: se Lamarão ligasse para ele, Trecanni iria ao Iterpa para fazer a transmissão de cargo. O novo presidente, consultado pela assessora, descartou a possibilidade. (Diário do Pará)
Post de 

9 Comentários

  1. Anônimo

    20 de junho de 2011 - 19:15 - 19:15
    Reply

    Interessante, é que ninguém se contrapõe à competência ou idoneidade do Sr. Carlos Lamarão, que conheço apenas de nome .Falam em lambança, que ele chega tarde , etc. Quanto aos outros dirigentes anteriores, parece que a única virtude era a de chegar cedo, sem que se saiba exatamente prá que , se todo mundo sabe que a bandalheira imperava no ITERPA. Ainda prefiro o Lamarão, com todos os defeitos que lhe atribuem.

  2. Anônimo

    20 de junho de 2011 - 19:14 - 19:14
    Reply

    Interessante, é que ninguém se contrapõe à competência ou idoneidade do Sr. Carlos Lamarão, que conheço apenas de nome .Falam em lambança, que ele chega tarde , etc. Quanto aos outros dirigentes anteriores, parece que a única virtude era a de chegar cedo, sem que se saiba exatamente prá que , se todo mundo sabe que a bandalheira imperava no ITERPA. Ainda prefiro o Lamarão, com todos os defeitos que lhe atribuem.

  3. Anonymous

    6 de janeiro de 2011 - 03:09 - 3:09
    Reply

    isso é freiscura de quem chega às 11:30 e não bate o ponto, como a maioria dos sevidores honestos o faz.

  4. Anonymous

    6 de janeiro de 2011 - 03:02 - 3:02
    Reply

    E continua as lambaças no ITERPA,sauve-nos deus.

  5. Anonymous

    5 de janeiro de 2011 - 19:25 - 19:25
    Reply

    Não precisa transmitir, uma vez que já tinha decreto o nomeando presidente. A transmissão já estava feita!! Puro sensacionalismo da imprensa.

  6. Anonymous

    4 de janeiro de 2011 - 22:55 - 22:55
    Reply

    É cada uma que parece piada. O, sem noção, queria transmissão de cargo? De que planeta tu vieste? Se liga meu, ou vai querer entrar pra história dos "micos" do governo tucano.

  7. Anonymous

    4 de janeiro de 2011 - 21:36 - 21:36
    Reply

    Na SEDES é o contrário, o gestor(a) até agora não apareceu, tá tudo largado às baratas.Os serviços assistenciais que esperem.
    Será que ainda vão querer "transmissão de cargo" também.Quando será? Vão ter que mandar convite, pro MDS.
    Eita, Palhaçada.

  8. Anonymous

    4 de janeiro de 2011 - 19:54 - 19:54
    Reply

    Espero como servidor do órgão que Carlos Lamarão não possa se circundar de corruptos e pessoas inoperantes na presidência, visto que, até o presente momento as suas indicações tem privilegiado ex-gestores de parcas realizações durante o período que foram diretores do ITERPA e que da qual pairam sobre eles fortes dúvidas sobre a idoneidade moral. Mas vamos aguardar o desenrolar das próximas indicações.

  9. Anonymous

    4 de janeiro de 2011 - 14:45 - 14:45
    Reply

    Minha total solidariedade ao Carlos Lamarão, uma das ´pessoas mais dignas e honestas que conheço nesse Estado. Não merecia tamanha descompostura e falta de ética. A atitude merece de Lamarão uma devassa no órgão. Deve ter muita coisa escondida por lá.

    Gerson Ferreira Luz

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *