PCCR da Educação pode sofrer doze alterações. Percentuais de promoção vertical devem cair

Alterações dos percentuais de promoção vertical; composição do salário base, hoje com oito níveis, devendo ficar com apenas dois.

Dupla jornada de professores e percentual por qualificação de nível.

Vinculação da qualificação por concurso público; implementação do benefício no exercício financeiro do ano seguinte.

Alteração da base de cálculo para obtenção de gratificação e limitação do número de concessões para aperfeiçoamento.

Suspensão de gratificações específicas e alteração de percentuais de gratificações específicas.

Adicional de tempo de serviço, regido pelo Regime Jurídico Único e em observância a Lei Orgânica do Município, além da revogação do reajuste de vantagem pessoal.

Itens acima fazem parte do bojo de alterações que o prefeito Tião Miranda pretende inserir no Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) dos servidores municipais da Educação.

Nitroglicerina pura, por suas propriedades explosivas e ação vasodilatadora.

Se conseguir direcionar as alterações propostas, aparecerá dinheiro em caixa para a prefeitura pagar em dia o servidor, manter a máquina administrativa funcionando com serviços básicos e  fazer investimentos.

Caso contrário, a inviabilidade definitiva da gestão pública de Marabá estará consolidada.

Não tem outra saída.

Os doze dispositivos para alteração do atual PCCR começaram a ser discutidos na “Comissão do PCCR”, criada pela Semed, e que tem entre membros, secretários municipais, Sintepp e Câmara Municipal.