Paulo Rocha pede rigorosa apuração da chacina de São Félix do Xingu

O  senador Paulo Rocha (PT/PA) enviará à Segup (Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social) e ao Ministério da Justiça pedido de apuração urgente, responsabilização e punição dos autores e mandantes do triplo assassinato ocorrido em São Félix do Xingu, na última semana, uma barbaridade contra uma família de ambientalistas que desenvolviam projeto de criação, defesa e reprodução de quelônios.

Os corpos de José Gomes, conhecido como “Zé do Lago”, da mulher dele, Márcia Nunes Lisboa, e da filha Joane, de 14 anos, foram encontrados na zona rural do município, no domingo (dia 9/01), mas acredita-se que a chacina pode ter ocorrido no dia 5 (quarta-feira).

 

“Nossa luta é a defesa da vida e contra a impunidade aqui no nosso estado e no Brasil”, indigna-se, Paulo Rocha.

Os corpos do trabalhador rural e da filha foram encontrados do lado de fora da casa onde moravam. No local das mortes, diversas cápsulas de bala.

O corpo de Márcia, a esposa, foi encontrado boiando no Rio Xingu. Os corpos encontrados já se encontravam em decomposição. Um filho do casal e a Polícia Civil localizaram a família morta, na segunda-feira, 10.

“Nós repudiamos esse crime brutal, manifestamos nossa solidariedade à família e amigos e estamos empenhados em cobrar a apuração desse massacre que atinge a todos os que defendem o meio ambiente, a vida e aos direitos humanos”, lamenta o senador.

Até o momento ainda não existem informações se “Zé do Lago” sofria algum tipo de ameaça por conta de seu trabalho de guardião da floresta e de preservação de animais.

Além de proibir a caça na área em que vivia, todo ano ele devolvia para o rio Xingu 4 mil filhotes de tartarugas, que protegia da rapinagem até os animais terem condições de voltar para o seu habitat natural. E isto ele fazia sem apoio de qualquer instituição pública ou organização não governamental.

“Essa barbárie, que resultou na morte de Zé do Lago e sua família, prova que parte da nossa sociedade ainda é muito primitiva, não consegue respeitar todas as formas de vida e de diferenças. Estamos chocados pela desfaçatez dos autores e mandantes e vamos acompanhar o desenrolar da elucidação desse crime contra pessoas que tombaram pela nobre atividade de defender a vida, o meio ambiente”, concluiu o senador.