Passou da hora

Publicado em 18 de abril de 2011

 

O blog sempre apoiou o trabalho da dupla Sebastião Ferreira e João Galvão à frente do Águia de Marabá,  por reconhecer a dedicação de ambos sempre disponibilizada em favor do time nas diversas competições disputadas.

Nos últimos dias, dá para observar o quanto se torna insustentável a manutenção de João Galvão dirigindo o time.

A impressão que se têm é de que o barco chegou numa zona de pedrais sem um canal de tráfego seguro para seguir viagem.

A torcida não o aceita mais, e o clima de hostilidade  ganha contornos perigosos até para os próprios jogadores.

A derrotada de 3 X 1 para o Remo não pode ser colocada como  estopim do rio em cachoeiras. Ela é conseqüência do que já vem acontecendo.

No sábado, quando o poster assistia a um programa de esportes na TV Liberal, e viu aquela imagem do Galvão negando-se a conceder entrevista ao repórter da emissora, deu para perceber o quanto  o treinador chegou ao limite de suas forças psicológicas para suportar a onda.

O mais grave é que a permanência do treinador já está causando mal estar junto a patrocinadores importantes do Águia.

O poster ouviu de duas pessoas que gerenciam recursos de empresas parceiras do time, palavras de insatisfação com o período ladeira abaixo do time,  e da insistência de Galvão permanecer no cargo.

“O Águia precisa ser oxigenado, caso contrário a gente vai tirar nossa marca desse meio”, revelou um dos interlocutores.