Hiroshi Bogéa On line

Parlamentares fiscalizarão minas de ouro e cobre em Curionópolis

Uma comitiva de deputados federais vai a Curionópolis nos próximos dias vistoriar os locais de exploração de ouro, cobre e outros minerais no âmbito do projeto Rio Verde, da empresa mineradora australiana Avanco Resources, controlada atualmente pela AZ Minerals.

O deputado Joaquim Passarinho (PSD-PA) fez o anúncio após audiência pública que discutiu a situação do projeto na Câmara Federal.

O parlamentar informou que vai apresentar um requerimento na próxima terça-feira, 19, à Comissão de Minas e Energia par que a comissão possa visitar as minas, que tem sido motivo de impasse na região sudeste do Pará, com informações de crimes ambientais e não cumprimento das cláusulas de geração de emprego e renda.

Passarinho adiantou que o resultado da audiência foi bom, já que a advogada que presentou a empresa concordou com o repasse de todas as informações necessárias.

“Mas é importante a coleta in loco de outras informações, já que tem mais de cinco áreas de mineração sendo explorada nesse projeto, então é importante que eles sejam conhecidos e que possamos ter os detalhes de como essa exploração está sendo feita”, afirmou.

Ele lamentou, porém, a decisão judicial que inicialmente paralisa o projeto, por ser ruim para a economia do município.

O Deputado acredita que a questão será contornada a partir dessa pressão pela fiscalização nacional.

“Precisamos encontrar a melhor solução para o interesse público, o que eu não pode acontecer é a manutenção do interesse apenas do poder econômico”, afirmou.

O projeto da Avanco iniciou em março de 2016.

A unidade informou que à época fez investimentos de cerca US$ 60 milhões para produzir 45 mil toneladas de concentrado de cobre por ano em Curionópolis.

A jazida do projeto, denominada Antas North, possui um teor de cobre entre 2,5% e 3%, sendo quatro vezes superior ao do depósito de Sossego, que fica cerca de 100 km e pertence à Vale.

Além disso, a unidade teve fácil acesso à infraestrutura local, composta por estradas pavimentadas, ferrovias e o Porto Vila do Conde, de onde a empresa exporta o concentrado por contêineres e a granel.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *