Parando para não parar

Publicado em 6 de novembro de 2007

Primeiro foi a Fetraf e lideranças de assentados. Logo mais, às 15 horas, será a vez de políticos, prefeitos e representantes de trabalhadores da indústria. Em menos de uma semana, duas reuniões com Valmir Ortega para tentar definir uma saída para a crise no setor produtivo florestal.
Se nada acontecer de concreto na Sema, daqui a pouco, quanto à liberação de processos de planos de manejo, projetos de reflorestamento e de supressão florestal, o pau vai cantar.
Manifestações em pontos estratégicos de estradas do Pará estão programadas para eclodirem ao mesmo tempo. Coisa prá já.