Hiroshi Bogéa On line

Pa-275 sem previsão de liberação

 

Fechada desde as primeiras horas desta quarta-feira, 10, a Pa-275 não tem previsão de ser liberada. Informação é de membro do MST, responsável pelo fechamento da rodovia.

O congestionamento de veículos na estrada, entre Parauapebas e Curionópolis, alcança mais de dez quilômetros, em ambos sentidos.

MST exige a desapropriação da fazenda Marambaia.

 

—————————-

Pastoral da Terra publica nota sobre  o conflito entre MST e fazendeiros:

 

FAZENDEIROS ATACAM ACAMPAMENTO DO MST EM PARAUAPEBAS

Na noite de ontem, dezenas de fazendeiros e pistoleiros, fortemente armados, atacaram o acampamento Frei Henri, do MST no município de Curionópolis. Muitos tiros de armas de fogo foram disparados na direção do acampamento e alguns barracos construídos no meio das roças nas proximidades do acampamento foram incendiados. A ação violenta dos fazendeiros e pistoleiros causou pânico entre as famílias no meio da noite.
O acampamento Frei Henri está localizado em terra pública federal na margem da rodovia que liga Curionópolis a Parauapebas. São 280 famílias que residem no local há 3 anos. A área onde as famílias se encontram estava ocupada ilegalmente por um fazendeiro de Parauapebas. No início da ocupação, o pecuarista ainda tentou regularizar o imóvel em nome de sua filha, mas, o programa Terra Legal negou o pedido devido ela já ser proprietária de outro imóvel em uma área de Assentamento no município.
No início da ocupação, a então juíza da Vara Agrária deferiu medida liminar em favor do fazendeiro autorizando o despejo das famílias. No entanto, tão logo o programa Terra Legal informou que o imóvel está em terra pública federal e que o mesmo não pode ser regularizado em nome da filha do fazendeiro, os advogados da CPT, que assessoram juridicamente as famílias ingressaram com pedido de revogação da liminar perante a Vara Agrária e perante o Tribunal de Justiça do Estado. Os pedidos não foram ainda decididos.
Devido à ação violenta dos fazendeiros e ameaça de ataque ao acampamento, as famílias interditaram, desde a noite de ontem, a rodovia que liga Curionópolis a Parauapebas.
Frente à situação o MST exige: que os policiais da Delegacia de Conflitos Agrários investigue a ação violenta dos fazendeiros e pistoleiros, apreendam as armas em poder do grupo criminoso e efetue a prisão dos responsáveis; Que o INCRA ingresse urgentemente com ação de retomada da terra pública federal e libere a área para que as famílias possam morar e produzir em paz; Que o Ministério Público Federal investigue o fazendeiro pela prática do crime de ocupação ilegal de terra pública.
Por fim, o MST alerta às autoridades, que fará a defesa das famílias ali residentes, não se responsabilizando pelo que poderá acontecer caso haja invasão do acampamento por parte de fazendeiros e pistoleiros.
Marabá, 10 de outubro de 2012

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
Comissão Pastoral da Terra – CPT Marabá

Post de 

3 Comentários

  1. Anônimo

    10 de outubro de 2012 - 15:56 - 15:56
    Reply

    Hiroshi recebi essa carta do MST. E isso ninguém publica.

    FAZENDEIROS ATACAM ACAMPAMENTO DO MST EM PARAUAPEBAS

    Na noite de ontem, dezenas de fazendeiros e pistoleiros, fortemente armados, atacaram o acampamento Frei Henri, do MST no município de Curionópolis. Muitos tiros de armas de fogo foram disparados na direção do acampamento e alguns barracos construídos no meio das roças nas proximidades do acampamento foram incendiados. A ação violenta dos fazendeiros e pistoleiros causou pânico entre as famílias no meio da noite.
    O acampamento Frei Henri está localizado em terra pública federal na margem da rodovia que liga Curionópolis a Parauapebas. São 280 famílias que residem no local há 3 anos. A área onde as famílias se encontram estava ocupada ilegalmente por um fazendeiro de Parauapebas. No início da ocupação, o pecuarista ainda tentou regularizar o imóvel em nome de sua filha, mas, o programa Terra Legal negou o pedido devido ela já ser proprietária de outro imóvel em uma área de Assentamento no município.
    No início da ocupação, a então juíza da Vara Agrária deferiu medida liminar em favor do fazendeiro autorizando o despejo das famílias. No entanto, tão logo o programa Terra Legal informou que o imóvel está em terra pública federal e que o mesmo não pode ser regularizado em nome da filha do fazendeiro, os advogados da CPT, que assessoram juridicamente as famílias ingressaram com pedido de revogação da liminar perante a Vara Agrária e perante o Tribunal de Justiça do Estado. Os pedidos não foram ainda decididos.
    Devido à ação violenta dos fazendeiros e ameaça de ataque ao acampamento, as famílias interditaram, desde a noite de ontem, a rodovia que liga Curionópolis a Parauapebas.
    Frente à situação o MST exige: que os policiais da Delegacia de Conflitos Agrários investigue a ação violenta dos fazendeiros e pistoleiros, apreendam as armas em poder do grupo criminoso e efetue a prisão dos responsáveis; Que o INCRA ingresse urgentemente com ação de retomada da terra pública federal e libere a área para que as famílias possam morar e produzir em paz; Que o Ministério Público Federal investigue o fazendeiro pela prática do crime de ocupação ilegal de terra pública.
    Por fim, o MST alerta às autoridades, que fará a defesa das famílias ali residentes, não se responsabilizando pelo que poderá acontecer caso haja invasão do acampamento por parte de fazendeiros e pistoleiros.
    Marabá, 10 de outubro de 2012

    Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
    Comissão Pastoral da Terra – CPT Marabá

  2. Francisco

    10 de outubro de 2012 - 15:10 - 15:10
    Reply

    Depois do incidente entre policiais militares e sem terras que vitimou 19 pessoas, as autoridades tornaram reféns desse pessoal que exigi quantias milionária, a grande maioria deles são pessoas que nunca trabalharam no campo fala isso por quer conheço pessoas que vive dessa industria de sitiar propriedades alheia.

  3. Antonio rosa Junior

    10 de outubro de 2012 - 14:43 - 14:43
    Reply

    Vou fechar a BR 230 e exigir dinheiro do banco central. Esse movimento ta caminhando para uma guerrilha armada e perigosa. Cadê os órgãos de segurança pública?

Leave a Reply to Francisco

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *