Hiroshi Bogéa On line

Oleiros de Altamira legalizados com cooperativa

 

 

A empresa Norte Energia e a Organização das Cooperativas Brasileiras – Seção Pará (OCB/PA) concluíram no domingo (22) a criação da Cooperativa do Núcleo Ceramista de Altamira (Cooceramista). A ação vai atender diretamente 300 famílias que vivem dessa atividade na região e faz parte do Programa de Recomposição das Atividades Oleiras, previsto no Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte. O setor oleiro trabalha na produção de objetos que utilizam o barro barro ou argila como matéria prima, como tijolos e telhas.

Durante a assembléia geral de constituição da cooperativa, no auditório da Norte Energia, em Altamira, os membros votaram a aprovação do estatuto, elegeram a diretoria e já programaram a primeira reunião como membros oficiais da Cooceramista. “Sozinho a gente não consegue conquistar o mercado, agora com o grupo formado, nós vamos ter força para trabalhar”, defendeu Jorge Carlos, que há 25 exerce a profissão de oleiro sem registro profissional.

Entre as vantagens da organização em cooperativa, está a possibilidade dos produtores conseguirem linhas de crédito para melhorar as técnicas da produção oleira de Altamira. Com mais tecnologia, amplia-se as possibilidades econômicas, já que subprodutos também poderão ser feitos, como por exemplo, pisos de cerâmica.

A proposta de criação da cooperativa surgiu depois que a Norte Energia pesquisou o mercado de extrativismo na região de Altamira e constatou que quase a totalidade dos profissionais não possuía nenhum vínculo empregatício. Outro ponto que chamou atenção diz respeito à regulamentação ambiental, já que a maior parte das olarias funcionava sem registro no Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e no IBAMA.

Para criar a cooperativa, a Norte Energia promoveu para os oleiros de Altamira uma série de cursos e treinamentos com profissionais especializados, sob a coordenação da OCB/PA. Durante dois meses, os trabalhadores receberam informações técnicas sobre o extrativismo mineral no país, legislação ambiental e cooperativismo.

Eleita a primeira diretora presidente da entidade, a produtora Lia Lima agradeceu aos colegas de profissão pela confiança e prometeu trabalhar para que a atividade oleira seja cada vez mais valorizada na região. “O apoio que nós recebemos foi fundamental para a nossa união e eu tenho certeza que, com a ajuda da Norte Energia, nós vamos conseguir vencer” ressaltou Lia, uma das maiores defensoras da produção artesanal de cerâmica na região.

Com a Cooceramista, a Norte Energia espera incentivar outras áreas de extrativismo para que não apenas a produção oleira, mas de outras matérias-primas, ocorra de forma qualificada e seguindo a legislação. O gerente Socioeconômico e coordenador do Programa de Recomposição das Atividades Oleiras da Norte Energia, engenheiro Paulo Sérgio, acredita que a criação da cooperativa é apenas um passo para um processo muito mais amplo e que, segundo ele, receberá apoio da empresa durante todo o processo de construção da Usina Belo Monte. “Nossa intenção é dar condições para que esses trabalhadores possam melhorar cada vez mais a qualidade da produção e com isso garantir não só agora, mas no futuro, uma vida melhor para suas famílias. Eles agora vão receber orientação sobre gestão” destacou.

Com informação da Ascom da Norte Energia

Post de 

1 Comentário

  1. uhhhh

    29 de abril de 2012 - 09:24 - 9:24
    Reply

    Isso é pra Inglês ver…. ora bolas pessoas que nunca trabalharam no sistema cooperativo, vão bombar porque foram a 2 cursos…. Acorda Alice… Não se faz mudança social na velocidade e na lógica empresarial! E poior utilizando-se dos mecanismos da educação popular….

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *