Hiroshi Bogéa On line

Odoricadas em Augusto Corrêa

No embalo do post Terra com Lei, do Quinta Emenda, mais informações sobre o sucupirismo em Augusto Corrêa.

O Pleno do TRE decretou a perda do mandato de vereador pelo PDT de José Farias da Costa, a imediata vacância do cargo e convocação, diplomação e posse da 2º suplente da legenda, Lucinete Teixeira Marques, dia 18 de março passado. O 1º suplente, José Augusto Borges da Costa, perdeu o direito ao exercício do mandato, por ter também mudado de legenda após o dia 27 de março de 2007. O relator do processo, juiz José Rubens Barreiros de Leão, e o procurador da República José Augusto Torres Potiguar, representante do Ministério Público Federal, examinando o mérito, consideraram procedente a representação eleitoral e opinaram pela cassação de José Farias da Costa, seguidos pelo voto de todos os demais membros do TRE, ficando determinado o prazo de dez dias para a posse da 2ª suplente, Lucinete Teixeira Marques, perante a Câmara Municipal de Augusto Corrêa, explica a advogada Franssinete Florenzano, que resgatou o mandato para o PDT.

Dos nove vereadores na Câmara de Augusto Corrêa, o Partido Democrático Trabalhista elegeu dois em outubro de 2004. Com cinco membros, o grupo político integrado pela oposição, fortalecido, conseguiu vencer a disputa pela Mesa Diretora, cuja presidência coube ao PDT, tendo sido escolhido como representante do partido José Farias da Costa, que depois de ter disputado três vezes o mandato sem alcançar votos suficientes, com apenas 403 eleitores, foi beneficiado com os votos da legenda do PDT. Traindo as bases do partido que o elegeu, José Farias da Costa foi cooptado pelo PR, partido que integra a base governista no município, e abandonou a o PDT em 26 de setembro de 2007, após o marco para a aplicação da regra aos cargos proporcionais, que prevê a perda do mandato eletivo na hipótese de desfiliação, sem justa causa, relata a vereadora Romana Reis que, temendo pela segurança de sua família, não deixou que os filhos fossem à escola hoje.

O primeiro suplente de vereador do PDT em Augusto Corrêa, José Augusto Borges da Costa, também sem motivo que justifique o desligamento, abandonou a legenda pelo PR em 24.09.2007, e a justiça eleitoral interpretou que, com seu ato, abdicou do direito ao exercício do mandato.

A Câmara de Augusto Corrêa realiza quatro reuniões mensais, sempre às terças-feiras. Quando há 5 terças-feiras no mês, a última é liberada. Hoje, José Farias da Costa, mesmo sem legitimidade, cancelou a próxima sessão e fez a convocação somente para o dia 15 de abril.

Post de 

2 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    4 de abril de 2008 - 23:20 - 23:20
    Reply

    7:33 PM, na edição desta sexta-feira do Diário do Pará, em minha coluna, repercuto suas denúncias. São todas procedentes.

  2. Anonymous

    2 de abril de 2008 - 22:33 - 22:33
    Reply

    Caro Hiroshi,
    Sou leitor assíduo do seu Blog e do seu pôster no Diário do Pará, gosto muito de seu estilo quando tratar com os maus administradores do erário público, porém acredito que você não tem conhecimento do que se passa em Bom Jesus do Tocantins, apenas 66 KM de Marabá. Se você soubesse um terço das marmotas que a Sra. Luciene Rezendes vem aprontando naquela cidade, você deixaria de lado todos os outros péssimos políticos e administradores, pois a nossa cara alcaide coloca todos no bolso. Somente para lhe dá uma idéia do que estou falando, vamos lá:
    1 – Atraso de pagamento de funcionário é uma regra, somente este mês colocou a folha em dia (segundo a prefeitura) depois de 04 anos de atraso (isso é verdade), deve ter pego dinheiro em agiota.
    2 – A Prefeitura não tem crédito nas praças comerciais do Pará e outros estados, cheque sem fundo da Prefeitura é moeda de troca em Bom Jesus do Tocantins.
    3 – Nepotismo nem se fala, pois toda a família é funcionário de confiança da prefeitura.
    4 – Uso de bem público para conseguir ganhos financeiros: um irmão da Prefeita (é o seu motorista e recebe pela prefeitura) tem uma cerâmica no município, detalhe, carrega a matéria prima com caminhão da prefeitura e a cerâmica fica em terreno da prefeitura.
    5 – Todas, veja bem, todas as obras que foram liberadas verbas pelo Governo do Estado até 2007, não foram concluídas inclusive algumas não foram iniciadas, porém as parcelas do convenio foram liberadas e devidamente “engolidas”.
    Hiroshi, vou para por aqui, mas trarei novidades e detalhamentos, pois estou indignado, haja visto que os maus administradores tão bem denunciados em seu blog não tão com nada em relação a Sra. Luciene Rezendes, são uns amadores perto dela.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *