Hiroshi Bogéa On line

Obliquidade do tempo

O ponto final lhe dava medo.

Um ponto fixo depois da última letra, sem lhe abrir a possibilidade de seguir na linha, era tormento demais pra alma.

Um dia, decidiu experimentar o uso da reticência em todos os textos que escrevia.

Com a reticência, a possibilidade de vazar era evidente, com a vantagem de que ela propiciaria o tempo andar.

Mesmo encerrando alguma coisa, estou certo de que a reticência pode recomeçar a qualquer momento -, imaginava.

O ponto final, naquele momento de reflexão, foi visto por ele como o ultimo passo rumo ao desfiladeiro.

Com a reticência, os sonhos não acabam.

Que fazer? Meu pensamento está preso àquele carnaval Volto a pisar nesse chão Enceno um drama banal Tento refazer a trama Mas o desfecho é igual

E você? Será que canta calada aquele frevo axé Que não me deixa dormir Ou terá perdido a fé No que ficou prometido Sem nos falarmos sequer

Meu amor Ando na praça vazia e espero o sol se pôr Vejo o clarão se extinguir Por trás da mão do poeta Nosso amor não vai sumir Veja onde a gente se achou Estrelas já vão luzir

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *