Objeto é a floresta no chão

O blog sempre separa quem luta pela consolidação da Reforma Agrária, justamente e com armas legais. Mas bate de frente, sem medo, com os bandidos que usam o tema apenas para roubar madeiras, derrubar reservas legais com uso de motosserras e fogo.

Ademir Braz conta história que merece a reflexão sobre uma área localizada a 20 km de Marabá, invadida por movimentos sociais e à beira de perder a última reserva de castanhais e quantidade significativa de madeiras nobres.

O poster conhece os castanhais Mutamba e Cigana. Conhece de percorrer suas entranhas no dorso de animais ou dentro de barcos, cruzando o igarapé Taurizinho.

É ali onde se vê ainda o que restou de uma história de mais de meio século de extrativismo.

É ali onde ainda se vê (foto), de forma cada vez mais rarefeita, castanheiros com paneiros nas costas tentando extrair o pouco do que restou da amêndoa que tantas riquezas gerou ao Pará.

Tudo esbulhado.