Hiroshi Bogéa On line

O que se vê, na Justiça

Os três prédios em ruína do Fórum de Justiça de Marabá receberam a agradável visita  de membros do Conselho Nacional de Justiça.

A considerar o comportamento incomodado dos auditores do CNJ diante da exposição feita pela Subseção local da OAB, a corregedoria deve ter chegado a conclusão de que os R$ 3 milhões supostamente aplicados na recuperação  das construções condenadas, não serviram para nada.

Salise Monteiro Sanchotene, juíza auxiliar da corregedoria do CNJ, garantiu  providências.

Na foto de Chagas Filho, do jornal Opinião, os prédios diante de imensa cratera. Dentro das construções, paredes rachadas  e com a estrutura ameaçada. Dinheiro jogado fora.

Post de 

4 Comentários

  1. Anonymous

    22 de dezembro de 2008 - 19:41 - 19:41
    Reply

    O Caso do Fórum de Marabá não daria uma CPI?
    Qual dos deputados se habilitaria a levar a proposta à frente: Salame ou Bernadete? Ou os dois?

  2. Anonymous

    20 de dezembro de 2008 - 11:54 - 11:54
    Reply

    Eu fui chamado na época pelo diretor do forum para dar um parecer técnico e cosntatamos a condenação em virtude das fissuras de “grandes proporções” em que apresentava o predio. Não dei solução, apenas o comparei a um paciente em estado terminal, ou seja estava condenado.
    As providencias tomadas e a empresa contratada, na época, não me interessava. Fiz apenas um trabalho técnico.
    Como marabaense conheço o local e sei que era utilizado no governo Veloso/Tiao como deposito de lixo.
    Este foi um “presente de grego” mesmo dado do poder municipal ao judiciário.

  3. Anonymous

    19 de dezembro de 2008 - 21:28 - 21:28
    Reply

    Quem é o Nicolau???
    Zózimo

  4. El Cid

    18 de dezembro de 2008 - 21:16 - 21:16
    Reply

    É do conhecimento de todos que esta obra já começou errada. O dinheiro gasto posteriormente foi em vão. Apenas uma tentativa infrutífera de acobertar um grande desmando administrativo. É um feio retrato do judiciário em nosso estado.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *