Hiroshi Bogéa On line

O Pará não é isso

Escreverei o post na primeira pessoa, porque o fato merece tratamento afirmativo.

Totalmente avesso a preconceitos, sejam quais forem, não posso, mesmo diante de episódio tão vil, alimentá-los.

Só que a atitude massacrante do prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PTB), conhecido naquele estado por temperamento impulsivo, humilhando uma pobre, mas corajosa paraense desassistida, deveria ser tratada no mesmo tom.

Todavia, respiro e afugento ideias  genocidas, respeitando, primeiramente, o povo amazonense, que pode ser responsabilizado pela equivocada decisão de colocar na prefeitura da capital tamanha selvageria, embora tenha nova oportunidade, ano que vem, de mandá-lo de volta pra casa.

Indignação é o que devemos estimular.

Indignação com o ato e o fato.

O ato em si do prefeito despreparado para conviver com adversidades, preferindo disparar insultos e intempéries verbais.

O fato da expressão singular de preconceito contra paraenses, arraigado em sua alma.

Governador Simão Jatene deveria se manifestar. Não apenas entender a questão como de “desinteresse público”, conforme oficializou a Secom, acionada pelo Diário do Pará.

O governador simboliza a voz-geral da população.

Através dele se manifestam sentimentos da unidade federativa diante de casos dessa magnitude, onde brios e autoestima de nosso povo foram espinafrados por uma espécie de bandoleiro.

É muito simples reverberar raras palavras para dizer que o governo do Estado não tem interesse em se pronunciar, por que “não considera o caso de interesse público”.

E a paixão pelas cores de nossa bandeira?

O efeito moral da atitude do prefeito de Manaus não respinga na honra de nosso pavilhão?

Numa demonstração de altivez, Jatene deveria ter emitido nota condenando o prefeito manauara, elevando o respeito pelos povos amazônidas, e  exigindo do gabiru pedidos de desculpas ao povo paraense.

Post de 

8 Comentários

  1. Anonymous

    27 de fevereiro de 2011 - 22:38 - 22:38
    Reply

    É amigos, por todos os pecados que a nossa Ex. governadora Ana Julia, comentei em seu governo, jamais teria deixado essa babaria passar em branco!!!

  2. Anonymous

    24 de fevereiro de 2011 - 14:55 - 14:55
    Reply

    Venhamos e convenhamos, se o cara tá ali explicando que a região é de risco e as pessoas ficam colocando mil e uma desculpa para não sair do lugar, tudo o que ele pode fazer é mesmo deixar que ela sofra as consequências…Só o que pegou pra mim foi mesmo o fato de ele falar de paraense…Sou carioca, mas ADORO o Pará…Povo bonito, hospitaleiro, simpático…Já conheci muitos lugares, mas gente mais bacana que o povo paraense, ainda não.

  3. Luiz Bressan

    22 de fevereiro de 2011 - 17:42 - 17:42
    Reply

    Quem defende e tenta justificar a atitude de Amazonino Mendes do PTB possuí a mesma visão política discriminatória de pobres (migrantes e emigrantes). A imagen e o audio possibilitaram a crítica e o questionamento. A análise dos blogueiros faz parte da democracia. Que bom que alguém filmou e divulgou. Caso contrário ficaria esta discriminação escondida nos becos da comunidade. Só apareceria o discurso hipócrita de quem domina o poder. Não devemos despertar ódio entre a população, mais sim exigir respeito aos direitos de cidadão em qualquer estado e qualquer cidade deste imenso Brasil.

  4. Anonymous

    22 de fevereiro de 2011 - 17:08 - 17:08
    Reply

    Acrescento ao meu comentário que o preconceito é mais contra o pobre porque o bem nascido é recebido com honras em todos os lugares.

    Rico Silva

  5. Sergio Gonçalves

    22 de fevereiro de 2011 - 17:03 - 17:03
    Reply

    Lamentável o sensacionalismo que estão fazendo com esse caso. Sou paraense e em momento algum me senti ofendido. No episódio o prefeito ao dizer "então morra" estava tentando mostrar a moradora sobre o perigo de residir em área de risco e que a escolha era dela. Quanto a fato de ser paraense, tal resposta seria dada a qualquer pessoa e mais, o "está explicado" serviu para demonstrar que como ela não é da região não sabe o perigo que corre. Lamento profundamente como paraense o que blogueiros e a imprensa do estado estão fazendo, incitando um povo contra um estado vizinho e mal interpretando palavras de quem na realidade só mostrou preocupação com uma moradora paraense.

  6. Anonymous

    22 de fevereiro de 2011 - 16:43 - 16:43
    Reply

    Esse Jatene é farinha do mesmo saco desse Amazonino. No fundo Amazonino falou o que Jatene pensa.

    São do mesmo naipe!

  7. Anonymous

    22 de fevereiro de 2011 - 15:19 - 15:19
    Reply

    Esse preconceito contra paraenses existe em solo paraense basta ir a Paragominas. Nesta cidade nortistas e nordestinos em geral não são bem recebidos. Tem inclusive um programa oficial da prefeitura chamado Mão Amiga, mas que a própria população da cidade chama de Pé na Bunda Amigo.

    Enquanto isso o prefeito da cidade faz constantes viagens ao Sul e ao Sudeste do Brasil para atrair novos migrantes, um verdadeiro atentado contra a dignidade humana e o sagrada direito de ir e vir.

    As alegações da prefeitura são de que a chegada de pobres à cidade favorece a violência e a prostituição, mas nof undo é puro preconceito.

    Não podemos permitir essas atitudes discriminatórias nem em Manaus, nem em Paragominas e em nenhum lugar do Brasil.

    E é profundamente lamentável o silêncio de Sua Excência o Sr. Governador Simão Jatene que em tese deveria ser o defensor dos interesses e direitos do povo do Pará onde quer que estes direitos fossem ameaçados.

    Rico Silva

  8. Anonymous

    22 de fevereiro de 2011 - 15:00 - 15:00
    Reply

    Me sinto profundamente indignada pela atitude do Prefeito de Manaus, contra uma pobre mulher, paraense, pobre, desassitida. Me indigna muito mais é a atitude do Senhor Jatene, que fez que nem Pôncio Pilatos: lavou as mãos em um caso que exige reparação pública por parte do ofensor. Mas, como conhecemos o Simão pescador, é mais fácil ele ir pescar do que pegar um papel e redigir nota sobre o caso que ofendou todos nós paraenses

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *