O dono do samba sou eu

Publicado em 1 de janeiro de 2012

Nesse embalo de valsa rumo à troca de ano, valsando preguiçosamente num descanso imerecido, um pouquinho de Chico Buarque faz bem.

“Sou eu”, segunda parceria de Chico com Ivan Lins, marca de forma contundente seu novo CD.

Se em Renata Maria, presente no álbum “Carioca”, lançado em 2006, o tema de Chico girava em torno da mulher que saía do mar contemplada pelo compositor, agora o clima é de gafieira, reforçado pela segura participação vocal de Wilson das Neves, observa o blog Esquinas e Quintais.

É como se no cenário descrito em Sem compromisso, clássico de Geraldo Pereira (parceria com Nelson Trigueiro) gravado por Chico nada menos que três vezes (as duas últimas ao vivo: uma com Mestre Marçal e outra com o próprio Wilson das Neves), estivesse agora um homem mais compreensivo, que vê a mulher ser cobiçada por quem quer dançar com ela, mas sabe que, no fundo, ele é quem a leva para casa.

Um dos raros sambas da lavra de Ivan Lins, a melodia é cativante, como eram também sambas seus de fins da década de 1970, como Desesperar jamais e Antes que seja tarde. E a letra de Chico tem aquela marca essencial de ser uma letra de Chico.

Gravada anteriormente por Diogo Nogueira, “Sou eu” com Chico e das Neves instiga a vontade de querer vê-los juntos no palco novamente.

Ah, o show de Chico, de novo, dia 27 de janeiro, no Rio, já está seguro, com ingresso e passagem comprados.

Ô, sorte!

Sou eu
Ivan Lins – Chico Buarque/2009

Na minha mão
O coração balança
Quando ela se lança
No salão
Pra esse ela bamboleia
Pra aquele ela roda a saia
Com outro ela se desfaz
Da sandália

Porém depois
Que essa mulher espalha
Seu fogo de palha
No salão
Pra quem que ela arrasta a asa
Quem vai lhe apagar a brasa
Quem é que carrega a moça
Pra casa

Sou eu
Só quem sabe dela sou eu
Quem dá o baralho sou eu
Quem manda no samba sou eu

O coração
Na minha mão suspira
Quando ela se atira
No salão
Pra esse ela pisca um olho
Pra aquele ela quebra um galho
Com outro ela quase cai
Na gandaia

Porém depois
Que essa mulher espalha
Seu fogo de palha
No salão
Pra quem que ela arrasta a asa
Quem vai lhe apagar a brasa
Quem é que carrega a moça
Pra casa

Sou eu
Só quem sabe dela sou eu
Quem dá o baralho sou eu
Quem dança com ela sou eu
Quem leva este samba sou eu
Etc.