Hiroshi Bogéa On line

O bom senso de Wandenkolk

Por considerá-lo importante documento de confrontação com o status quo da chamada bancada federal do Pará, que se deleita anualmente em priorizar recursos de emendas para a capital do Estado, marginalizando os demais municípios esquecidos, o blog publica a íntegra do oficio do deputado federal Wandenkolk Gonçalves (PSDB) enviado aos Coordenadores de Bancada, criticando a centralização de benefícios e sugerindo uma divisão mais equânime do bolo:
Excelentíssimos Coordenadores da Bancada Federal do Pará:
Deputado Paulo Rocha;
Senador Flexa Ribeiro;
Gostaria de expressar minha preocupação e, ao mesmo tempo, o meu descontentamento com a possível definição das emendas de bancada apresentadas ao Orçamento da União para o Estado do Pará.

Ora senhores parlamentares, se existe de fato a pretensão na diminuição das desigualdades regionais e o encurtamento das distancias sociais, devemos buscar juntos a implantação de projetos estruturantes em regiões que historicamente não vem recebendo a priorização devida pelas verbas orçamentárias, como é o caso da Regiões do Marajó, Oeste e Sul do nosso Estado.

Ao analisarmos a proposta orçamentária apresentada pela Bancada, ao Orçamento da União, verifica-se um verdadeiro esquecimento de Municípios historicamente emblemáticos como Altamira, Itaituba, Paragominas, Redenção, Rondon do Pará, Tucuruí, Parauapebas, São Félix do Xingu, só para citarmos alguns; além do total esquecimento de todos os Municípios da Calha Norte, à exceção de Santarém.

Ora Senhores Coordenadores, torna-se inexplicável a alocação de recursos para infra-estrutura urbana no Município de Belém (cem milhões), no Município de Ananindeua (cem milhões) e Santarém (cem milhões) e alocação de recursos para a macro drenagem da região metropolitana de Belém no valor de trezentos milhões, mais uma vez para Belém e Ananindeua, condenando o Município de Marituba ao esquecimento, uma vez que o mesmo integra a referida região metropolitana.

A proposta orçamentária concentra de maneira extraordinária os Municípios de Belém, Ananindeua e Santarém, em detrimento dos demais. Alias, causou-me estranheza na reunião da Bancada a presença dos prefeitos de Ananindeua, Belém e Santarém (a Santíssima Trindade) e a ausência dos outros 140 representantes municipais.

Principalmente se considerarmos que esses municípios serão altamente beneficiados (segundo propala o governo federal) com obras do PAC, com recursos que ultrapassam um bilhão de reais, alem das obras que serão implementadas em Belém para atender a Reunião do Fórum Social Mundial que será realizada em nossa capital em 2009, além da possibilidade concreta de sermos uma das sedes da Copa do Mundo de 2014, o que obrigará o poder público a implantar a infra-estrutura necessária nas áreas de Saúde, Transportes, Hotelaria, Segurança, estádios, dentre outras, para atender as exigências da Fifa e do Comitê Organizador do mega evento, em que nós, do interior, seremos mero espectadores e torcedores.

Assim, Senhores Coordenadores e Senhores Deputados apelamos ao espírito público de Vossas Excelências, ao nosso “paraensismo”, para que possamos estender aos outros municípios o mesmo tratamento dado aos municípios que compõem a Santíssima Trindade (Ananindeua, Belém e Santarém), por exemplo, incluir o município de Marituba nos recursos destinados à macrodrenagem da região metropolitana de Belém, além da inclusão de recursos para infra-estrutura urbana de Marabá e Altamira e definir como prioridade os recursos financeiros para as ações de turismo para os Municípios do Calha Norte e do Araguaia-Tocantins.

Propostas

1- Infra-estrutura urbana para os Municípios integrantes do Consórcio 279 (São Félix do

Xingu, ‘Xinguara, Água Azul do Norte, Ourilândia do Norte e Tucumã);
2- Macrodrenagem da região metropolitana de Belém;
* 50% para Belém;
* 30% para Ananindeua;
* 20% para Marituba;
3- Infra-estrutura urbana do Município de Marabá;
4- Infra-estrutura urbana do Município de Altamira;
5- Infra-estrutura urbana do Município de Conceição do Araguaia;
6- Infra-estrutura urbana do Município de Belém;
7- Infra-estrutura urbana do Município de Ananindeua;
8- Infra-estrutura urbana do Município de Santarém;
9- Apoio às Ações de Instrumento para a Prevenção de Epidemias e Controle de Agravo no
Estado do Pará;
10- Adequação da BR-316/PA – Trechos Rodoviários Belém (km 0) –Castanhal-Santa
Maria- Entre Pa-124 (trevo de Salinópolis);
11- Construção de Trechos Rodoviários da BR-422/PA – Trechos Cametá- Novo
Repartimento;
12- Construção de Trechos Rodoviários da BR-308/PA – Trechos Bragança-Viseu, no Estado
do Pará;
13- Aquisição de Equipamentos e Aparelhamento das Atividades de Inteligência do Estado do
Pará;
14- Desenvolvimento Sustentável da Pesca no Estado do Pará;
15- Implementação do Zoneamento Ecológico e Econômico no Estado do Pará;
16- Desenvolvimento Macro-Regional Sustentável do Arquipélago do Marajó;
17- Implementação do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia no Estado do Pará;
18- Aquisição de Patrulhas Mecanizadas;
19- Implantação do Distrito Florestal Sustentável do Carajás;
20- Implantação da Universidade Federal do Oeste do Pará;
21- Implantação da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará;
22- Ações de Turismo com a priorização para Municípios do Calha Norte e do Araguaia-
Tocantins.
Post de 

6 Comentários

  1. Val-André Mutran

    10 de novembro de 2007 - 05:22 - 5:22
    Reply

    Ei Hiroshi, eu estou tão sem paciência com anônimos que prefiro nesses dias cuidar do perdão. O canto de Callas! Tenho ouvido obcessivamente.

    – Ah! Estou nos finalmentes da edição de uma jóia rara.

    Trata-se de um resgate simplesmente espetacular.

    São poucos os eleitos. Você terá a sua cópia de um dos mais belos momentos da música popular brasileira.

    É Natal. Um feliz natal…Já chegou, já chegou, nosso velho pai…!

    Cê tá na restrita lista desse CD.

    Fica frio, e segura se fores capaz da surpresa!

    Abs

  2. Hiroshi Bogéa

    10 de novembro de 2007 - 03:25 - 3:25
    Reply

    9:30 PM, caríssimo. A “escrita”do Juvencio, como sempre, é firme e certa. Ele tem o direito de ser contra ou a favor do tema. Só que ele defende o plebiscito. isso é o que importa.
    Abs

  3. Hiroshi Bogéa

    10 de novembro de 2007 - 03:23 - 3:23
    Reply

    Caro Val, como sempre, você chega na hora certa. Valeu o complemento da informaçào, nego velho.
    Abraços.

  4. Anonymous

    10 de novembro de 2007 - 00:30 - 0:30
    Reply

    hiroshi eu quero ver agora a cara – opss, a escrita do Juvencio – sobre este tema. Contra fatos não há argumentos. Separação Já!

  5. Anonymous

    10 de novembro de 2007 - 00:18 - 0:18
    Reply

    Onde estava Vandinho nos doze anos de Tucanato, que não bradou sua voz integracionalista e diminuidora de diferenças regionais?Onde estava, onde estava?

  6. Val-André Mutran

    9 de novembro de 2007 - 22:42 - 22:42
    Reply

    O ofício do deputado Wandenkolk teve repercussão aqui em Besília mesmo numa sexta-feira. Explico: Os deputados estão por aqui fechando as emendas para o Orçamento. O relator do PPA é um jovem e dinâmico deputado e o cronograma está impecavelmente bem planejado e cumprido.

    Após atender vários jornalistas o deputado Giovanni, em resumo, disse que na maioria dos aspectos técnicos e políticos o seu colega Wandinho está cberto de razão. Disse também que, asssimm como Santarém pode receber R$ 50, 100 milhões, nada impede, numa negogiação que Marabá receba R$ 200 milhões e Belém R$ 20 milhões. “As emendas ao PPA apontam caminhos”, uns consensuais, outros não”, avaliou Giovanni.

    Abs

Leave a Reply to Hiroshi Bogéa

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *