Hiroshi Bogéa On line

Nossos meninos bandidos

Estava com o pé na estrada, por volta de meio-dia desta quarta-feira, quando o pôster parou para tomar água e cafezinho. Espantar o sono traiçoeiro, incomodando, ao volante.

No balcão da lanchonete, um jornal de Belém reproduzindo a Agência Estado:

                 – Marabá no topo do ranking da violência.

Destrinchando, matéria escandaliza o município, juntamente com Itabuna (BA), em que seus jovens são mais vulneráveis à violência.

O blog já tratou desse tema várias vezes, responsabilizando prefeitos municipais omissos diante da questão dos menores de rua, etc.

Desanima qualquer um. Entristece mais ainda.

Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    27 de novembro de 2009 - 22:51 - 22:51
    Reply

    0,50 centavos não dá prá comprar nem uma folha de gibi.
    O debate aqui é fazer com que a sociedade,comece a cobrar dos orgãos competentes mais seriedade na fiscalização. Por exemplon esse conselho Tutelar fajuto que não serve prá nada,que só é usado para que seus membros façam dele escada para tentar uma vaga na já falida casa de leis.
    O problema com esse conselho é que ele não ajuda em nada as vezes até atrapalha. Chama algum deles,qualquer um prá ajudar a encontrar soluções para o problema da violência domestica,contra os abusadores de meninos e meninas. Não conseguem ajudar são despreparados.
    Vários casos já aconteceram envolvendo "empresários" e nada acontece com eles. Quando acontece com um zé ninguém,as leis são diferentes. A punição é rápida. Quando é um rico.
    Quer exemplos:
    O caso do Empresário do Km 07. O camarada calou os pais da menina e acabou o problema. Cadê o conselho!!!!

    O menino assassinado pelo Vává Mutran. Punição. ninguém sabe ,ninguem viu. Cadê o conselho!!!

    O camarada que matou a enteada no São Félix. Conselho nem procurou saber.

    Tem mais, esse conselho deveria atuar preventivamente.
    Sujestão:
    Elaborar um calêndario de palestras para as escolas e associações de bairros.

    Participar mais das atuações dos orgãos de segurança.

    Agendar um planejamento em conjunto com as secretaria de Educação,Ação Social,ONG`S que atuam nas àreas de risco,movimentos sociais .etc…

    Tai Jamaica: Quer mais eu
    ajudo!!!. Larga o carro do conselho e vai andar pelas ruas da cidade.Tu e teus pares.
    Um "amigo" anônimo.

  2. Anonymous

    26 de novembro de 2009 - 12:09 - 12:09
    Reply

    Isso não causa surpresa para quem conhece a situação dos jovens em Marabá, porém é muito humilhante e deprimente ouvi isto, especial em rede nacional. Faz-nos pensar sobre a nossa condição humana: como estamos nos governando, como seremos daqui a alguns anos, se é seremos alguma coisa. Já passou do tempo de exigirmos mais atenção para o futuro. Por que que temos um prédio novo e super moderno para a camara municipal, e não temos o mesmo para atender crianças e adolescentes? Por que que pontes e vias são duplicadas e a vida das crianças e adolescentes são diminuidas? Por que que obras acontecem em toda esquina e nas mesmas esquinas nossas crianças e adolescentes são vítimas de violência. As prioridades estão investidas, a vida é mais importante, primeiro a vida depois a comodidade dela. Aos politicos, empresários e politicos/empresários uma palavra: Não são imunes a violência, serão apenas mais uma vitima, pois ela não sabe o número da conta bancária e nem tem acesso aos extratos, então pensem na vida primeiro…
    Marcos Frazão

  3. COMISSÃO DE ESTUDOS DE ASSUNTOS EDUCACIONAIS DE MARABÁ

    26 de novembro de 2009 - 04:03 - 4:03
    Reply

    Hiroshi!
    Pode ter certeza que isto nos entristece profundamente porque sentimos a ineficiência do sistema educacional quando vemos essas crianças desisistirem da escola para estar nas ruas se drogando e praticando pequenos delitos e ninguém percebe que aqueles R$ 0,50 que você dar na porta do mercado para a criança olhar seu carro não vai servir para ele comprar livro ou comida e sim para a droga e para o passaporte da marginalidade .

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *