No encalço da preguiça

Publicado em 30 de dezembro de 2009

Curtinhas férias de 15 dias afastaram o blogger do batente.

E da blogosfera.

Hora é pra ouvir o barulho de águas do mar ressoando na praia, braba e mansa.

Tempo de andar descalço, jeans skinny cinza com gosto de descolado – totalmente entregue à contracultura como estilo de vida.

Mais preciso: easy rider.

A política, os negócios, o tititi dos comentaristas do blog, às favas tudo isso.

Como é bom tocar um instrumento na beira do mar.

Ou jogar a emoção de um oceano de canções no bojo do violão.

Ouvindo Sinatra, Cesaria Avora, afinando o instrumento com um diapasão digital.

Chique esse troço digital comprado na quinta-feira, 24, que nem sabia ser tão preciso.

De tão bom, fico agora afinando e desafinando as cordas do violão, só pra medir a precisão da geringonça digital.

Foi-se o tempo em que eu ficava com um analógico na boca, soprando como se fosse guarda de trânsito pra deixar a afinação nos trinques.

Hoje, sinto assim como se o mundo brilhasse em mim…

Nem sei como definir.

Água que corre sobre meus pés descalços, como sangue em minha terra.

Tudo se mistura.

E parece explodir, docemente, nessa imensidão salgada de mares.

O mar que enche, na fluência da maré, molhando minha pele.

Em férias, somos assim: soltos e lerdamente desconexos.

Bem, mas o que quero mesmo é saber se você teve um bom Natal, reunido com a família e amigos.

E, com gosto de sal na boca de águas verdes a me molhar, desejar-lhe um Ano Novo redondo.

Redondinho como esse universo criado por Deus pra gente contemplar, pelo menos uns poucos dias do ano.

Vai, leitor, ser feliz no Ano Novo.

Até mais ver..