Hiroshi Bogéa On line

No encalço da pedofilia

A juíza da 4ª Vara Penal de Marabá decretou agora à tarde a prisão do cover de jornalista Bira Ramos, colunista do jornal Opinião, e locutor esportivo da Rádio Itacaiúnas .

Há vários anos o rapaz vinha sendo investigado de acusação de pedofilia junto aos garotos inscritos na escolinha de futebol “ Camisa 10” , da qual ele é proprietário.

Bira Ramos foi encaminhado à Penitenciária Mariano Antunes.

Post de 

11 Comentários

  1. Anonymous

    17 de agosto de 2009 - 15:34 - 15:34
    Reply

    Para mim, pedófilos têm de pegar prisão perpétua… As vidas dessas crianças não tem preço e só Deus sabe o estrago que foi feito.

    abraços

    Taís Morais

  2. Hiroshi Bogéa

    16 de agosto de 2009 - 21:25 - 21:25
    Reply

    Frans, já li, no seu blog, o link. Esses casos de pedofilia, como sempre, você fiscaliza de perto. Isso é um exemplo a ser seguido por todos que trabalhamos com a informação. Bom domingo pra você também, querida.

  3. Franssinete Florenzano

    16 de agosto de 2009 - 14:01 - 14:01
    Reply

    Hiro, reproduzi sua postagem no meu blog. Esse crime é da maior gravidade. Ainda bem que a juíza de Marabá agiu. Abraços e bom domingo!

  4. Anonymous

    16 de agosto de 2009 - 12:57 - 12:57
    Reply

    Isso é uma palhaçada isso sim fui aluno do bira ele pedia aos meninos para massagear as costas dele esse baitola que ele morra na prisão junto com os complices

  5. Hiroshi Bogéa

    16 de agosto de 2009 - 12:05 - 12:05
    Reply

    11:08 AM, buscarei mais informações a respeito desse caso da Major Ana Laura para emitir algum comentário. Já me preocupa o envio de cerca de cinco links, com pedido de publicação, sobre o mesmo tema, como se algum anonimo tivesse interesse exclusivo em atingir a pessoa acusada ao inves de trazer à luz peripécias da oficial. Prometo mais informaçoes.
    Sds

  6. Anonymous

    16 de agosto de 2009 - 02:54 - 2:54
    Reply

    Ele é petista não vai botar.

  7. Anonymous

    15 de agosto de 2009 - 14:08 - 14:08
    Reply

    Gostaríamos de ver uma postagem sua, ou quem sabe uma nota no Diário do Pará, sobre as peripécias da Major Ana Laura !!!

  8. Anonymous

    15 de agosto de 2009 - 14:06 - 14:06
    Reply

    BLOG DO ESPAÇO ABERTO
    Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008
    Governadora tem por perto acusados de prevaricação
    A governadora Ana Júlia trabalha lado a lado – a alguns metros, bem pertinho – com dois oficiais denunciados pelo Ministério Público Militar (MPM) pelo crime prevaricação e estão no gozo do benefício do sursis processual.
    São eles a major Ana Laura Carvalho dos Santos Milhomem e seu marido, o sargento Antonio Felix Milhomem, respectivamente ajudante-de-ordens e agente de segurança da governadora Ana Júlia Carepa. Ambos estão lotados na Casa Militar, que funciona no Palácio dos Despachos. Ana Laura, inclusive, faz parte da seleta e bastante restrita comitiva da governadora que ainda se encontra em viagem oficial à China.
    A major e o sargento foram denunciados pelo crime de prevaricação, que consiste em funcionário público retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal.

    Assalto em Eldorados dos Carajás
    Os dois foram denunciados pelo MPM porque teriam, de alguma forma, se omitido de cumprir com seus deveres durante assalto a uma agência do Banpará, quando eram lotados no Destacamento da Polícia Militar (DPM) no município de Eldorado dos Carajás. O assalto ocorreu durante o pagamento de funcionários da Prefeitura.
    Ambos figuraram como réus no Processo 200429006487, instaurado na Justiça Militar, em Belém, em 27 de outubro de 2004. Em 10 de agosto de 2006, o juiz de Direito Militar José Roberto Pinheiro Maia Bezerra Júnior negou o pedido do Ministério Público para que fossem quebrados do sigilo bancário dos dois militares.
    Em 28 de novembro de 2006, o MPM juntou documentos necessários e voltou a pedir a quebra dos sigilos. "Assim sendo, observa-se que existem fortes indícios de que os indiciados [Ana Laura e Antonio Félix] hajam cometido, ao menos em tese, prática de crime previsto na legislação penal castrense. Desta forma, claro está que a medida excepcional se justifica no sentido de fazer prova em investigação criminal ou instrução em ação penal", escreveu o José Roberto, ao atender o pedido do MPM.
    Em 15 de junho de 2007, os dois oficiais PMs foram denunciados. Em 28 de setembro do ano passado, o próprio Ministério Público Militar ofereceu a proposta de sursis processual, que os dois réus aceitaram. As condições que devem observar estão em atas de audiências às quais o blog não teve acesso. Como aceitaram o sursis, o processo ficou suspenso pelo prazo de dois anos.
    O sursis processual é aplicável no caso de crimes cuja pena mínima for igual ou inferior a um ano. E será revogado se o beneficiário vier a ser processado por outro crime ou se não cumprir as condições estabelecidas pelo juiz, o que é muito raro. Se não for revogado, ao final do prazo é declarada extinta a punibilidade. Isto é, o delito não sofre sanção alguma.

    Postado por Poster às 11/10/2008 02:40:00 AM
    2 comentários:
    Anônimo disse…
    Paulo procura saber também, pois o atual subchefe da casa militar Coronel Dilson foi indiciado pela CPI do narcotráfico da câmara federal é só procurar no site da câmara.

    Jorge Campos
    10 de Novembro de 2008 18:06
    Anônimo disse…
    Procure ouvir os polciais que atuam naquela área, PM, PC, rodoviários, federal, e a inteligencia dos órgãos.
    11 de Novembro de 2008 02:32

  9. Anonymous

    15 de agosto de 2009 - 14:04 - 14:04
    Reply

    Blog do Paulo Leandro Leal
    POLÍTICA – ECONOMIA – PENSAMENTO – MEIO AMBIENTE
    http://www.ecoamazonia.com.br/blog/

    Ordens de quem?
    August 2nd, 2009

    Causa estranhesa a presença constante na Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema) de uma das ajudantes de ordens da governadora Ana Júlia Carepa. A militar parece dar expediente na Sema. A pergunta que não quer calar é o que faz a ajudante de ordens na Sema. E cumpre ordens de quem, para fazer o que faz, seja lá o que for.

    Posted in Uncategorized | No Comments »

    RESULTADO:

    A ajudante de ordem (Maj Ana Laura) foi afastada da função por determinação da própria Ana Júlia, que não quer ver a oficial nem pintada de ouro. A major estava fazendo "tráfico de influência" dentro da SEMA para beneficiar seus amigos do sul do Pará. Os expedientes dela na SEMA teriam $milhões$ de razões.

    Apesar da gravidade da situação o Chefe da Casa Militar não tomou nem uma providência. Esperamos que o Coronel Pantoja Jr. como futuro representante da PM na Assembléia Legislativa cumpra as determinações da Governadora e tome as providências legais que o caso requer, ou será que ele irá prevaricar.

    7:52 AM, Agosto 15, 2009

  10. Anonymous

    15 de agosto de 2009 - 01:19 - 1:19
    Reply

    quantas pessoas esse sujeito não inutilizou nessa cidade a pretexto de que as estava ajudando a realizar um sonho!!!

    que isso sirva de alerta e exemplo, e que os pais acompanhem melhor aos sonhos de seus filhos, e principalmente quando os entregam a quem diz que realizará tais sonhos. Pode virar pesadelo.

    quantos atletas naõ temos hoje no brasil que vivem trancados dentro de si mesmo com vergonha de terem se submetidos a tantos biras para realizar seus sonhos? Isso sem citar os que nunca chegaram perto do sonho, mas que viveram esse pesadelo.

    a pedofilia e a droga caminha juntas nessa nossa sociedade corrompida, de homens sem caráter, sem decência, sem dignidade, sem vergonha, e principalmente, sem Deus no coração.

  11. Anonymous

    14 de agosto de 2009 - 23:04 - 23:04
    Reply

    Caro Hiroshi, já se desconfiava do cara há muito. Alguns gestos, formas de se dirigir aos meninos e etc…Só há que se lamentar os varios anos em que o mesmo esteve se aproveitando dos imberbes. Que se jogue fora a chave da cela dele. Bira Ramos, demorou mas a casa caiu. Em 14.08.09, Marabá-PA.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *