No embalo que segue, a segunda onda do coronavírus logo chega ao Sul e Sudeste do Pará

Publicado em 22 de janeiro de 2021

Os estragos que a segunda onda do coronavírus faz na região Oeste do Pará  estão por chegar à região Sul e Sudeste do Estado.

Técnicos da área de Saúde do governo paraense preveem a possibilidade do alastramento da doença para outras regiões.

Não a toa o governador Helder Barbalho baixou decreto apertando o cerco às atividades que promovem aglomerações, como bares, casas noturnas e similares.

Os prefeitos municipais deveriam  seguir exemplo do governo estadual, adotando ações de controle da aglomerações humanas.

O desgaste político de medidas dessa natureza não devem ficar restrito ao governo estadual.

Os prefeitos, como autoridades maiores de cada município, deveriam também colocar a cara à mostras, assumindo posições de responsabilidade no combate à doença.

Enquanto a população não for vacinada, a solução para impedir o avanço do coronavírus é combatendo aglomerações.

O custo benefício do desgaste político é bem menor do que o enfrentamento da doença com os hospitais sem leitos disponíveis e equipes médicas já cansadas de lutar bravamente contra a doença, tentando salvar vidas.