Hiroshi Bogéa On line

Negro defende Paulo Henrique Amorim de racismo

 

 

O poster acompanhou, semana passada, alguns apressadinhos da imprensa nacional,  por maldade ou absoluto oportunismo, tentando etiquetar a figura de Paulo Henrique Amorim como pessoa racista, no rastro da repercussão de um acordo, em primeira instância, à contenda jurídica que lhe move o também jornalista  negro Heraldo Pereira (PHA chamou Heraldo de “negro de alma branca”).

O caso ganhou repercussão nacional exatamente porque os jornalões e as redes de TV ligadas ao  Partido da Imprensa Golpísta (PIG), designação criada pelo próprio PHA definindo a ligação ideológica de direita de determinados órgãos de comunicação do país, usaram o  caso de forma manipulada para ir à forra.

Propositalmente, esconderam o fato de que Paulo Henrique Amorim não recebeu nenhuma condenação, mas formalizou acordo com Heraldo.

Luiz Carlos Azenha, em boa hora, acaba de publicar no site Viomundo entrevista com Elias Cândido, uma das personalidades negras que mais lutam contra o preconceito racial no Brasil,  na qual ele isenta PHA de pessoa preconceituosa e dá outras alfinetadas.

Nessa bagulhada que transformaram em racismo diferentes designações politicamente incorretas, seria também preconceituoso dizer que Paulo Henrique Amorim, além de gente fina, meu!, é um branco de alma negra? Não, não seria, porque  preto e  branco são a base para a formação de todas as  outras cores.

Em verdade, alerta Chico César em sua canção “Alma não tem cor”:

 

Alma não tem cor porque eu sou branco?

Alma não tem cor porque eu sou negro?

Branquinho
Neguinho
Branco negão
Percebam que a alma não tem cor
Ela é colorida
Ela é multicolor

Azul amarelo
Verde verdinho marrom

 

O blog faz questão de reproduzir a integralidade do depoimento, convocando também os leitores a visitarem o site do Azenha.

 

———————-

 

Viomundo — O que significa “negro de alma branca”?

Elias Cândido — “Negro de alma branca”, na verdade, é como alguns brancos racistas,  se reportam a alguns negros.  São os negros que não se rebelam, que toleram passar por humilhações e que, segundo alguns brancos, “sabem o seu lugar na sociedade”.
O negro que reivindica o seu lugar é o negro “ negro”, isso do ponto de vista do racista.

Viomundo – Chamar alguém de “negro de alma branca” seria xingamento?

Elias Cândido –Seria um xingo. Seria exatamente aquela pessoa que, por querer ser aceito por aqueles que não a aceitam, se submete a humilhações em vez de buscar o seu espaço. Assim, do ponto de vista racista, equivaleria a um xingo.

Viomundo – Paulo Henrique se referiu ao Heraldo Pereira como um “negro de alma branca”. Essa menção seria racismo?

Elias Cândido — Não seria racismo, não. Quando o Paulo Henrique usa a expressão “negro de alma branca” não é para ofender a população etnicamente negra.  A intenção dele é chamar atenção para o comportamento do Heraldo Pereira, que é o comportamento daquele negro aculturado, que se submete a determinadas coisas, que se submete, por exemplo, às determinações da Rede Globo.  E a instituição Globo, eu diria, tem um comportamento racista.

Viomundo – Por quê?

Elias Cândido — A Rede Globo é racista. Se olhar com atenção o quadro de seus artistas, vai notar que a maioria é branca.  Se observar também o tratamento que é dado aos negros nas suas novelas, vai verificar que a Globo os coloca em posições que seriam de “negro”, que é escravo, segurança ou bandido. Isso é um comportamento completamente racista, porque induz a sociedade a enxergar o negro daquela maneira.
Já nos negros isso tem um efeito psicológico extremamente cruel. A pessoa passa a não almejar coisas maiores na sociedade a não ser aquelas coisas que lhes são impostas, dado o poder cultural das novelas da Globo  sobre o nosso povo de um modo geral.
Lembra-se da época em que Xuxa tinha as Paquitas e o sonho de todas as meninas era ser Paquita, uma menina loura, de cabelos lisos? Aquilo tinha efeito devastador na cabeça das meninas negras.
Isso sem falar dos noticiários que, de forma bastante sutil, dão mais atenção aos crimes cometidos pelos negros. Aliás, o seu diretor de Jornalismo, Ali Kamel, é bastante criticado por negar o racismo no Brasil, que mesmo os racistas admitem existir.

Viomundo – Na sua opinião, por que o Heraldo entrou com a ação contra o Paulo Henrique?

Elias Cândido – Por dois motivos. Primeiro, vestiu a carapuça. Ele tem cultura e inteligência suficientes para entender o que o Paulo Henrique estava falando.  Ele não fez confusão.
Agora o que possivelmente o estimulou foi a própria Central de Jornalismo da Rede Globo, que promove um combate ao Paulo Henrique Amorim, assim como promove combate aos blogueiros progressistas em geral e mesmo àqueles que não estão no seu rol de controle.
É bastante notório que alguns blogueiros, como Reinaldo Azevedo, se apressaram em acusar o Paulo Henrique, tentando impingir-lhe a pecha de racista, que, se pegasse, enfraqueceria bastante a influência do Paulo Henrique.
Daí a nossa pressa em sair em defesa dele, não só por ele não ser racista, mas principalmente pelo significado. A intenção deles era dizer que os blogueiros progressistas estavam atacando aquele negro que está fora do seu rol ideológico, como querendo dizer “esse negrinho é nosso”.
A intenção era levar a discussão para esse viés. Era levar  Paulo Henrique Amorim para o sacrifício em nome de uma ideia, que é para fazer com que o negro “se coloque no seu lugar”.

Viomundo — Como avalia o racismo hoje em dia no Brasil?

Elias Cândido — É importante entender que o modelo de racismo no Brasil é extremamente jovem, que é o racismo por cor. Algo em torno de 500 anos. Antigamente os escravos tornavam-se escravos porque eram derrotados em guerras, inclusive os povos negros da África.
Aqui no Brasil, como justificativa para a escravidão, foi introduzido o racismo por tonalidade da pele. Quanto mais claro tom de pele menos preconceito você sofre, mesmo sendo afrodescendente.  Quanto “melhor” o seu cabelo, menos você sofre também.
Esse processo está sendo refreado por conta de maior organização movimento negro e da ida dos negros às universidades. À medida que passamos a ir para as universidades, devido aos programas de cotas e à melhora de vida dos últimos nove anos, o racismo melhorou um pouco do ponto de vista social.
Mas ele aumenta do ponto de vista racial. Essas pessoas, que foram acostumadas a ter privilégios em relação à maioria excluída, começam a ficar mais desesperadas e mais reacionárias com o aumento de negros para as mesmas vagas, tanto na escola quanto no trabalho.
A tendência do racismo em si é aumentar. Não porque há mais racistas, mas por conta da resistência.  Isso fica claro na resistência ao modelo de cotas com argumentos de que “querem regalias só para negros”. É o tipo de argumento que não dá nem para a gente discutir.

Viomundo – Outras lideranças do movimento negro pensam como você?

Elias Cândido – Estive numa reunião na sexta-feira com várias lideranças para discutir outras questões e a gente acabou conversando sobre o caso. Elas não têm nenhuma dúvida: o Paulo Henrique não é racista. Ele caiu numa armadilha armada pela própria boca. Como é vítima de perseguições, ele deve tomar um pouco mais de cuidado nos seus pronunciamentos, porque a ideia é pegá-lo numa armadilha. Foi o que restou para essas pessoas. Aliás, a pecha de racista é usada inclusive por racistas para atacar as demais pessoas.
Por tudo isso, o momento é de a gente se unificar em torno do Paulo Henrique, produzindo mais textos, fazendo moções de apoio.  Não podemos permitir que destruam o Paulo Henrique.

Post de 

6 Comentários

  1. almir

    29 de fevereiro de 2012 - 18:41 - 18:41
    Reply

    o site viomundo e o PHA tem a mesma credibilidade, não suje seu maravilhoso blog com estas tranqueiras

  2. Maria

    29 de fevereiro de 2012 - 18:04 - 18:04
    Reply

    A expressão surge como uma espécie de justificativa por parte do racista, seja ele branco ou não, para aceitação do negro, como se aquele negro de alma branca fosse uma excessão em meio a tantos outros negros e por isso merece ser aceito. Quanto à intenção do Paulo Henrique Amorim difícil dizer, fácil é julgar.

  3. almir

    27 de fevereiro de 2012 - 18:45 - 18:45
    Reply

    a expressão foi de cunho racista, alem do alegado acima de que não só pela expressão “negro de alma branca”, ele foi condenado por mais coisas

  4. Isso é incrível

    27 de fevereiro de 2012 - 11:42 - 11:42
    Reply

    Caro Hiro, não estou entendendo vc. Leia a sentença do juiz e verá que os comentários racistas de PHA não se resumiram à frase “negro de alma branca”.

    Já estou desconfiado que vc também, a exemplo do Paulo Henrique Amorim, faz parte dos JEGs (Jornalistas da Esgotofera Governista). Só isso explica essa sua admiração a um governista de carteirinha, que apoiou todos os governos desde a Ditadura. Na verdade, o Conversa Afiada deveria mesmo se chamar Conversa Fiada.

    É um monte de picareta recebendo dinheiro de publicidade do governo e das estatais para defender o lixo do lixo.

  5. ANONIMO

    27 de fevereiro de 2012 - 10:46 - 10:46
    Reply

    Um homem pode e tem o direito de não gostar de negros,o que não pode é desrespeitar o negro,mas não é obrigado à gostar ! Mantendo-se o devido respeito,qual o problema ? E, eu imagino ,os negros também não são obrigados `a gostar de brancos(mas como gostam,de louras então …).

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *