Não sejamos conformistas

Publicado em 15 de janeiro de 2012

 

 

Mafalda, personagem das histórias em quadrinhos que sobrevive há mais de 30 anos, criada pelo argentino Quino, possui uma mistura saborosa de humor com questionamentos sociais.

 

Gosto de ler as tirinhas da Mafalda (queria ter sido igual a ela quando criança e adolescente), porque elas me fazem deter o olhar em situações que normalmente ficaria omissa.

Serei um pouco Mafalda agora, mesmo adulta…

Quero cutucá-los: quantos não ficam omissos diante de atitudes que agridem o próximo? Quantos não fazem “vista grossas” à violência sofrida por uma vizinha que apanha do marido? Quem não se esconde para não presenciar um ato de pedofilia? Por que fechar os olhos para uma “boca de fumo” que existe na sua rua, na sua quadra, no seu bairro?
Posso responder: por medo, por não acreditar que será resguardado, caso se posicione.

Porém, nosso ser grita, brada diante de tanta intolerância. Queremos ver a justiça sendo executada, sonhamos em contribuir com a construção de uma sociedade pacifica, onde nossos filhos, sobrinhos, amiguinhos, alunos, poderão crescer brincando na rua, indo de bicicleta até a escola, pulando na frente de casa em dia de chuva…

Trago uma boa notícia (não é nova, há cerca de dois meses o Hiroshi a deu aqui no blog): existe uma forma de cada um de nós, cidadãos brasileiros, combater o crime, quer organizado, quer o esporádico: pegando o telefone e ligando para o número 3312- 3350, falando de forma segura e anônima com o Disque Denúncia, em Marabá.

Funcionando há dois meses no município, tendo Igor Guedes na coordenação, o órgão custeado pela Vale e Associação Comercial e Industrial de Marabá (ACIM) – até agora tem demonstrado à sociedade ser uma ferramenta eficaz no combate ao crime.

Já catalogou mais de 1.000 denúncias nesse curto período de existência, numa prova do quanto a população de Marabá estava engasgada, precisando ser ouvida, atendida, cuidada.

Em dezembro, a Vila São José recebeu a agradável visita de Igor Guedes, coordenador do Disque Denúncia. Naquele momento, ele reuniu-se com algumas lideranças da comunidade expondo um recado bem claro e simples: denunciem o tráfico de drogas, os abusos às crianças e adolescentes, ou qualquer outro ato violento, liguem!

Deixou claro que só assim poderemos, todos, cobrar dos demais órgãos de segurança um posicionamento, para que a justiça prevaleça.

O dirigente do órgão tem sido muito aberto ao diálogo com as comunidades e associações de moradores, procurando conhecer o cotidiano da cidade, aproximando-se de secretarias e demais entidades responsáveis pela promoção do bem estar da população.

O Disque Denúncia transforma-se, dessa forma, numa entidade defensora dos direitos das pessoas sem voz, oprimidas e sem maiores perspectivas de libertarem-se de jugos opressores. Suas ações têm surtido efeito positivo, muitos criminosos foram presos, o tráfico tem tido baixas consideráveis, assaltos foram evitados.

Agora, sabendo onde encontrar ajuda, não se conforme: ligue, denuncie!

Faça parte da construção de uma sociedade que não se calará diante de injustiças.

Faça parte da turma da Mafalda, incomodando-se com o silêncio das vítimas, não se conformando…

 

(*) – Evilângela Lima é Educadora e Diretora da Escola São José, localizada na Vila São José, distrito de Marabá.