Não há Teatro no Congresso

Publicado em 11 de julho de 2007

A propósito do post “Teatro no Congresso”, a assessoria de imprensa do senador Mário Couto (PSDB) enviou esclarecimentos – conforme segue:

“A bem da verdade, devo esclarecer que não foi o senador Mário Couto quem propalou estar sendo ameaçado de morte. A notícia partiu do Ministério Público do Estado, com base em depoimento de um detento, em ofício encaminhado ao gabinete do senador. Portanto, se alguém está fazendo “teatro”, como acusa a sua coluna, não é o parlamentar tucano. Aproveito a ocasião, para mais uma vez informar meu e-mail ao sr. (hanny@senado.gov.br), por meio do qual também posso mandar meus números de telefone, para que o sr. possa dirimir toda e qualquer dúvida a respeito do senador Mário Couto e ainda para obter informações sobre as atividades parlamentares de Mário Couto. Em sua coluna, o sr. tem deixado bastante claro a sua antipatia pelo senador, mas de qualquer forma volto a me colocar à disposição, como assessora de imprensa, para evitar elocubrações, especulações etc em torno daquele que é o único legítimo representante do Pará no Senado.

Atenciosamente Hanny Amoras (Jornalista – DRT/PA 1.294)
Assessora de Imprensa do Senador Mário Couto

——–

Nota do Blog: A expressão “antipatia pelo senador” colocada na nota resvala pelo meio-fio – porque excessivamente chocha para o cenário em discussão. Não se trata disso, até porque os informes (isto mesmo, informes) correram o Estado dando conta de que foi o senador quem teria feito a denúncia da ameaça, inclusive com pedido de proteção à mesa diretoria do Senado. Faltou transparência de informaçào, por isso os ‘informes’ como consequência.
A expressão política de um senador da República recomenda que fatos dessa natureza (ameaça de morte) sejam bem esclarecidos para evitar exatamente a proliferação de rumores nas esquinas. Ou seja, faltou a assessoria de imprensa se antecipar. Um das funções dela é essa!
Como nunca sofri de “batistini” (expressao em algumas regiões que designa antipatia por alguem ou algum lugar, fruto de puro preconceito.), isso quer dizer, literalmente, que esse sentimento pelo senador não tenho mesmo. Desejo longa vida à ele.