Hiroshi Bogéa On line

Morre Almir Gabriel

 

 

Anunciado agora há pouco a morte do ex-governador Almir Gabriel, vítima de  enfisema pulmonar.

Aos 80 anos,  Gabriel encontrava-se internado  em hospital de Belém desde o dia  6 de fevereiro.

Ele também enfrentava um edema, que representa um acúmulo anormal de líquido nos pulmões, que levava a falta de ar.

 

——————–

Atualização às 09:36

 

Governador do Pará em dois mandatos consecutivos, prefeito de Belém,  e senador constituinte, Almir Gabriel construiu  carreira política que o elevou à categoria de uma das maiores lideranças do Estado.

Para médicos que vinham atendendo o ex-governador, em suas diversas internações, tanto em Belém quanto em São Paulo, Almir carregava profundas sequelas do vício de fumar,  a principal,  problemas respiratórios.

Na última foto que se tem conhecimento do ex-governador, ele aparece bastante abatido, revelando definhamento em seu estado físico – conforme publicada aqui no blog.

O Cerimonial do Governo do Estado deve,  a qualquer momento, anunciar local e horário do velório de Gabriel.

A família já decidiu que ele será sepultado em Castanhal, sua terra de nascimento.

 

——————

Atualização às 10:05

 

Simão Jatene, atual governador, foi conduzido à Chefia de Governo do Estado do Pará, sob a batuta de Gabriel, em sua primeira eleição, em 2004.

A amizade de ambos, no entanto,  seria rompida em futuro não distante, a tal ponto do ex-governador  acusar Jatene de ser consultor da Vale, numa dramática entrevista concedida a Rita Soares, do Diário do Pará.

Essa divergência seria aliviada,  dias atrás,  pelo próprio Gabriel, que recebeu cordialmente  Jatene, num encontro de reatamento da amizade.

Almir deixa dois legados: foi um excelente cirurgião cardíaco – um dos mais respeitados do país; e, durante a Constituinte, contribuiu muito para a formatação do SUS, atuando como senador.

 

Post de 

4 Comentários

  1. Diogo Margonar

    20 de fevereiro de 2013 - 17:18 - 17:18
    Reply

    O eterno choro dos movimentos “soçiais”, incompreendidos até por eles mesmos. Eu fico me perguntando, quem contribuiu para a citada tragédia. Até que ponto as entidades que gritam as “vítimas” são responsáveis pelas mortes? notadamente por ser fato notório que diversas dessas entidades incentivam a destruição, invasão de propriedades, da mesma forma que o CIMI incentiva invasões de índios em propriedades privadas outras entidades ligadas a igreja católica e de igual ligação internacional incentivaram e incentivam a desordem social no meio rural do Pará, daí quando alguém morre a culpa é dos fazendeiros, capitalistas malvados e agentes públicos. A culpa pelos assassinatos é de quem incentiva levante armados no campo, numa espécie de revolução a estilo Polpot. Estes são os responsáveis.

  2. Humberto

    20 de fevereiro de 2013 - 10:43 - 10:43
    Reply

    “19 trabalhadores mortos no massacre comandado pelo então governador Almir Gabriel, que faleceu hoje. Desse legado nenhum jornal vai falar né?

    “1. ALTAMIRO RICARDO DA SILVA, O laudo cadavérico comprovou que sua execução ocorreu após ter caído ao solo em virtude dos disparos recebidos nas pernas.

    2. ANTONIO COSTA …DIAS, 27 anos, casado, filho de Conceição Alves de Souza (não consta o nome do pai). Morreu com dois tiros no peito.

    3. RAIMUNDO LOPES PEREIRA, 20 anos, solteiro, (não consta a filiação). Morreu com três tiros, dois na cabeça e um no peito. Havia marcas de tentativa de defesa.

    4. LEONARDO BATISTA DE ALMEIDA, 46 anos, casado, filho de Raimundo de Souza e Luiza Batista. Morreu devido a agressão no rosto de algum instrumento pérfuro-cortante (faca, punhal, etc).

    5. GRACIANO OLIMPIO DE SOUZA (BADÉ), 46 anos, casado, (não consta a filiação). O laudo cadavérico descreve a morte como decorrente de tiro na cabeça. Foram encontradas ainda lesões típicas de defesa, caracterizando execução sumária.

    6. JOSÉ RIBAMAR ALVES DE SOUZA, 22 anos, filho de Miguel Arcanjo de Souza e Luzia Alves de Souza. Descreve o laudo cadavérico que foi alvejado com dois projéteis de arma de fogo, um dos quais, à “queima-roupa”, pois o tiro se apresentava como sendo de perto, perfazendo uma trajetória de cima para baixo. O outro na região lateral direita do abdome.

    7. OZIEL ALVES PEREIRA, 17 anos, solteiro, filho de Alderino Alves Pereira e Luiza Alves Pereira. Consta dos autos o depoimento de nove testemunhas que afirmam terem presenciado a detenção de Oziel. A vítima foi presa, algemada e espancada pelos policiais militares Pargas, Pinho e Vanderlan, na companhia de outros dois PMs. Conduziram-no arrastado pelos cabelos até um ônibus da empresa Transbrasiliana. A vítima foi algemada com as mãos para trás, impossibilitando qualquer meio de defesa. O laudo cadavérico descreve quatro tiros, três na cabeça e um no peito.

    8. MANOEL GOMES DE SOUZA, 49 anos, casado, (não consta a filiação). A vítima recebeu, segundo laudo, três disparos de arma de fogo, todos na cabeça, caracterizando a vontade deliberada de execução.

    9. LOURIVAL DA COSTA SANTANA, 26 anos, casado, filho de José Ferreira Santana e Francisca Xavier da Silva. Recebeu um disparo de arma de fogo no peito, perfurando o coração.

    10. ANTONIO ALVES DA CRUZ, 59 anos, casado, filho de Daniele Izabel Cristina FirminoAlves de Souza (não consta o nome do pai). Segundo o laudo cadavérico, a vítima recebeu dois disparos de arma de fogo no peito.

    11. ABÍLIO ALVES RABELO, 57 anos, casado, filho de João Rabelo e Rosália Rabelo. Morreu com seis tiros, em diversas regiões do corpo.

    12. JOÃO CARNEIRO DA SILVA, fotógrafo, morava em Parauapebas (não constam outros dados). O laudo cadavérico descreve como causa da morte o esmagamento do crânio e também dos ossos do braço.

    13. ANTONIO, CONHECIDO COMO “IRMÃO”, (não constam outros dados). Morreu com três tiros pelas costas, sendo um no pescoço.

    14. JOSÉ ALVES DA SILVA, 65 anos, viúvo, filho de Carlito Alves da Silva e Januária da Silva. O laudo cadavérico informa que a causa da morte é hemorragia na região do toráx. O projétil fez um trajeto da esquerda para a direita, de diante para trás e de cima para baixo. Caso típico de execução sumária.

    15. ROBSON VITOR SOBRINHO, 25 anos, casado, filho de Maria Antonia Vitor Sobrinho (pai não declarado). O laudo descreve que a vítima foi alvejada por quatro tiros, dentre eles, dois foram disparos à “queima-roupa” pelas costas. As “zonas de tatuagem” encontradas nas costas do vitimado atestam e confirmam a execução.

    16. AMÂNCIO DOS SANTOS SILVA, 42 anos, solteiro, filho de João Rodrigues e Laurinda Rodrigues da Silva. O laudo cadavérico descreve como causa da morte hemorragia intracraniana.

    17. VALDEMIR FERREIRA DA SILVA, conhecido como “Bem-Te-Vi”, (não constam outros dados);

    18. JOAQUIM PEREIRA VERAS, 32 anos, solteiro, filho de Raimundo Souza Sobrinho e Adelaide Maria Conceição. O laudo cadavérico relata duas feridas características de orifícios de entrada de projéteis de arma de fogo.

    19. JOÃO RODRIGUES ARAÚJO, (não consta a idade), casado, (não consta a filiação). Morreu de hemorragia, em consequência de ter recebido dois tiros nas regiões dos braços e várias apunhaladas de arma branca (punhal, faca, etc), nas regiões das pernas.”

  3. Diogo Margonar

    19 de fevereiro de 2013 - 16:45 - 16:45
    Reply

    Certamente, um grande brasileiro que se vai, que não promoveu arruaças, não destruiu propriedades, não criou mistificações e mentiras no campo!

  4. Alberto Lima

    19 de fevereiro de 2013 - 15:46 - 15:46
    Reply

    19 foram antes dele…

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *