Hiroshi Bogéa On line

Mona Pegajosa

Os de memória curta, olhando a foto da senadora Kátia Abreu (DEM-TO) publicada na edição de hoje do Diário do Pará, charmosa e falante, podem até achar que ela é uma digna senhora cônscia de seu dever de Justiça, ao defender, da tribuna do Congresso, a intervenção no governo do Pará por não cumprir mandados de reintegração de posse.

Charmosa e falante, Kátia Abreu é aquela mesma do time de Ronaldo Caiado, consagrado mundialmente como o maior defensor de pecuaristas ligados à violência no campo.

Acertou quem achar que Kátia Abreu, charmosa e falante, jamais soltou um pio para engrossar a voz daqueles que pediam intervenção no Estado do Tocantins, quando o ex-governador Siqueira Campos, acusado de todo tipo de prática de arbitrariedades no campo, omisso diante das ações do crime organizado, fez fama e deitou-se na cama como um dos porta-vozes do autoritarismo nacional.

Charmosa e falante, a foto da senadora bem que poderia ser exposta na Galeria dos Dissimulados.

Post de 

7 Comentários

  1. Anonymous

    10 de março de 2009 - 16:47 - 16:47
    Reply

    O que ela está fazendo no momento é o melhor para a pecuária e a agricultura do Pará. Não adiante querem dizer isso ou aquuilo. A posição dela é a melhor para ajudar na reintegração de posses, aidna mais se ela for ligada ao Caiado, que querendo ou não veste a camisa contra esses usam dos movimentos sociais para praticarem crimes. Outros se escondem…

  2. Anonymous

    10 de março de 2009 - 14:05 - 14:05
    Reply

    Caro Hiroshi.
    Não conheço a senadora, mas reconhecemos que o autoritarismo destes movimentos que se dizem sociais, que ao meu ver são movimentos crandestinos, que até pouco tempo agiam de maneira pacífica, estão se tornando em milicias armadas invadindo quebrando roubando e até matando animais. Pergunto: A onde anda a justiça quando expedi seus mandatos de reintegração que não são cumpridos por parte do estado e o estado não sofre nem uma pena, descumprindo assim uma decisão judicial, até porque se cumpre depois discute. Portanto, quando a senhora senadora pede intervensão acho sim que tem sentido, air eu perguntaria se não cumpre a determinação judicial vamos fazer o que.

  3. Hiroshi Bogéa

    9 de março de 2009 - 14:48 - 14:48
    Reply

    Grande Arimatéia, você também sabe das coisas. Inda mais coisas do Bico do Papagaio…Apareça sempre, rapaz.
    Abs

  4. Hiroshi Bogéa

    9 de março de 2009 - 14:47 - 14:47
    Reply

    Cabelo Seco, claro que tem de ser cumpridas! Quem falou que não?
    Abs

  5. Arimateia Junior

    7 de março de 2009 - 22:01 - 22:01
    Reply

    Hiroshi sabe das coisas…E em se tratando se Siqueira Campos, até ele foi vitima da senadora. Era uma simples sindicalísta, e pelo Siqueira foi alçada à vida pública. Más o abandonou pelo que achou mais conveniente; grupo Marcelo Miranda. Aliás, com esse grupo já está com o relacionamento complicado. É kátia querendo ter vôo próprio.

  6. Cabelo Seco

    6 de março de 2009 - 17:57 - 17:57
    Reply

    Independente de ser contra ou a favor de fazendeiros ou de sem terras, decisões judiciais não são dadas para serem cumpridas,Hiroshi?

  7. Leonardo

    6 de março de 2009 - 15:39 - 15:39
    Reply

    Justiça Federal condenou o empresário Reinaldo Zucatelli a 06 (seis) anos de cadeia.

    O juiz federal Carlos Henrique Borlido Haddad, da Subseção de Marabá, sul do Pará, concluiu nesta quarta-feira o julgamento de 32 processos referentes a trabalho escravo. Em 26 deles, as sentenças proferidas pelo magistrado condenaram 28 réus. Desse total de 26 processos, em seis deles os réus foram absolvidos da acusação de reduzir trabalhadores à condição análoga à de escravo, mas acabaram condenados por outras infrações.

    Ao julgar o processo nº 2007.1164-1, a justiça condenou o ex-vice prefeito de Marabá, o empresário Reinaldo Zucatelli pela prática de Trabalho Escravo.

    Para ver mais acesse:http://www.pa.trf1.gov.br/noticias/ver.php?id=727

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *