Hiroshi Bogéa On line

Mobilização organizada

Até então sem se posicionar oficialmente, o Simetal (Sindicato dos Metalúrgicos) decidiu engrossar o grito do caminhoneiros prometendo mobilizar os trabalhadores das usinas. O poster entende não ser essa a saída para o impasse. Há uma legislação a ser obedecida e para a qual somos obrigados ao seu cumprimento. Só que da parte do governo não apareceu até agora alguém com autoridade para fazer uma negociação capaz de desanuviar espíritos e baixar a bola.

Post de 

4 Comentários

  1. hiroshi

    3 de abril de 2007 - 08:34 - 8:34
    Reply

    Flor da Mata – sugestivo codinome, aliás, sinaliza a mim que seja uma alma feminina lançando com inteligência olhar sobre a Amazônia – você fez “cabelo” e “bigode”, ao resumir nosso drama tropical. Pior, lembrado também em seu comentário, é o conformismo da sociedade “com as migalhas deixadas por esse modelo de exploração”. Fica mais difícil, sim, combater o sistema predatório tendo o principal agente de referência, e para o qual todos nos debruçamos nessas trocas diárias de textos e contra-textos, de braços cruzados.
    Mas a luta continua. E com sua participação, ganhamos mais uma (é uma mesmo?!) guerreira.
    Abs

  2. Anonymous

    2 de abril de 2007 - 14:26 - 14:26
    Reply

    A situação enfrentada hoje na Amazônia, em especial na região Oriental onde estamos situados, tem sido alvo de intensos debates . No foco central, a destruição das matas que cada vez mais viram carvão vegetal para alimentar a produção de ferro-gusa.
    Confesso que tenho acompanhado o impasse de forma resignada Mas as diferentes opiniões aqui postadas me convidam a opinar , lançando um novo olhar sobre essa questão que tanto nos aflige.
    A voracidade com que nossas matas são consumidas em virtude de interesses comerciais é espantosa . Causa indignação entre os setores conscientes que convivem com a irracionalidade daqueles que constroem patrimônios pensando apenas no presente, no lucro . Mas não se pode discutir o presente sem antes buscar no passado os caminhos que nos levaram a essa realidade.
    Nos últimos 25 anos, a Amazônia transformou-se num espaço privilegiado para empreendimentos industriais que disputam os recursos naturais da região. Grupos de mineração que receberam incentivos para se instalar na região. Na retaguarda, os grandes bancos nacionais e internacionais . A exploração , da forma como vem se processando constitui mera forma de transferência de matéria-prima. A metalurgia, não diferente. Vem provocando desmatamentos em larga escala. Modelos que não produzem desenvolvimento para a região. É assim desde a época da ditadura quando , sob o lema de “Ocupar para não entregar”, a Amazônia começou a ser povoada. Os incentivos para a expansão da pecuária destruíram uma de nossas principais riquezas : os castanhais. Continua sendo assim com a soja e agora com as industrias de gusa, instaladas sem planejamento prévio de recuperação ambiental.
    Não se pode negar que , a sociedade conformada com as migalhas deixadas por esse modelo de exploração se calou diante dos fatos. Repensar uma estratégia para a Amazônia não é uma tarefa fácil. É um desafio que exige a valorização das forças sociais que aqui estão, dos diferentes povos . Requer esforço político. Não basta apenas punir quem está na ponta da linha .É preciso faturar a culpa com todos os envolvidos na questão: o governo que incentivou e agora cobra a conta. É preciso descobrir um novo caminho para o desenvolvimento da Amazônia.

    Flor da Mata

  3. hiroshi

    30 de março de 2007 - 12:02 - 12:02
    Reply

    Qual dos CPFs, maninho? Essa turma também troca de cadastro físico com a rapidez de que muda de legenda! Quanto a foto, preferencialmente batida por lambe-lambe?
    (morrendo de rir aqui)

  4. Quaradouro

    30 de março de 2007 - 09:31 - 9:31
    Reply

    “Insônias gerais
    Esposa de parlamentar paraense eleito pelo Sul do Estado revelou a amigas que ele não consegue mais dormir depois da decisão tomada na terça-feira pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que os mandatos pertencem aos partidos, e não aos eleitos. Ameaçado de perder o mandato, o legítimo representante do Troca-de-Camisa Futebol Clube revelou à parceira que “faz até uma besteira” se for condenado por infidelidade partidária.”
    Ah, desse aí eu quero o cpf e até uma fotinha 3×4 eheheh

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *