Hiroshi Bogéa On line

José Milési quer  transformar Itupiranga protagonista no modal de transporte e estratégica logística

O prefeito de Itupiranga José Milesi (MDB) trabalha para inserir o seu município num importante raio aglutinador de investimentos no modal de transporte, efetivada a derrocagem do Pedral do Lourenção.

De olho nesse cenário, o prefeito tem mantido encontros com agentes da área de transporte, autoridades governamentais e incentivado seus secretários a buscarem informações sobre o tema.

Durante a apresentação do projeto das obras  de dragagem  e derrocamento da via navegável do rio Tocantins, segunda-feira, 11, o prefeito de Itupiranga participou  da audiência realizada no auditório do Ministério Público do Estado, buscando junto ao secretário de Estado de Transportes, Pádua Andrade, e de executivos da  empresa  DTA Engenharia, vencedora da licitação para tocar as obras, o máximo de informações sobre o empreendimento.

Após a conclusão da audiência, José Milesi conversou a sós com o presidente da DTA Engenharia, para receber esclarecimento técnicos acerca do calado (profundidade) do rio nas imediações da sede de seu município.

Os dados recolhidos consolidaram o entendimento do prefeito de que Itupiranga possui as peculiaridades para ser transformado em polo de atração de investimentos portuários, embora tenha a consciência de que a força econômica e política de Marabá possa dificultar algumas ações nesse sentido.

Mas a determinação de Milési é atuar com determinação em busca de empreendedores e aprofundar contatos junto ao setor produtivo de Marabá para sensibilizá-los quanto a distinção entre as vocações dos dois municípios.

 

“Marabá é uma cidade polo formatada para desenvolver a indústria, verticalizar a produção minerária, açodada por um comércio forte, o agronegócio cada vez mais solidificado,  e um eixo de modais de transporte pouco visto em outros lugares –  as rodovias que cortam seu território (BR-222, BR-155, BR-230 e Pa-150), um aeroporto de características internacionais, uma ferrovia que futuramente estará interligada a outra, a Norte-Sul. Irmã siamesa de Marabá, nossa cidade de Itupiranga precisa despertar suas potencialidades, e elas estão, principalmente, na sua localização abaixo dos imensos bancos de areias acumulados na extensão do rio Tocantins, até Itupiranga”, explica José Milési.

 

Ao ser questionado a esclarecer com mais detalhes a importância dessa localização de Itupiranga, em relação a Marabá, Milési se estendeu, ancorado nas informações  dos EIA-Rima.

 

“Os estudos do EIA-Rima feitos pelo Ibama demonstram claramente que, tecnicamente, a melhor posição para a construção de porto como apoio logístico à hidrovia, é Itupiranga. A partir do derrocamento, não será necessário fazer qualquer tipo de dragagem do rio, até Tucuruí.   Construindo-se portos em Marabá, a cada três meses haverá necessidade de realização de dragagem do rio numa extensão de 51 km, da sede do vizinho município até Itupiranga. Sem essas obras de retirada de areia  do Tocantins, a hidrovia torna-se inviável”, conta José Milési.

Na visão logística do prefeito, que demonstrou estar aprofundado nos estudos realizados pelo Ibama, a própria posição geográfica da localidade de Vila União, onde se concentram minas de todo tipo de minério,  inclusive o manganês explorado pela empresa Buritirama, o transporte direto da produção por uma rodovia que liga a vila até Itupiranga, reduziria tempo, custos e outros impactos no escoamento do minério.

 

“Com o derrocamento do Lourenção efetivado, empresas como a Buritirama, que exporta manganês, usaria uma estrada da Vila União direto a Itupiranga, embarcando em seguida sua produção nas balsas aqui no porto. Tecnicamente, essa alternativa logística seria bem mais vantajosa financeiramente e com ganhos no tempo de saída do manganês da mina, na  Vila União, até o Porto de Barcarena – além de que a empresa evitaria ter às margens da rodovia Transamazônica, na pera de acesso ao porto que  ela tem em Marabá, o congestionamento de caminhões atualmente registrado. Um porto da Buritirama em Itupiranga impactaria positivamente em nossa economia, não tenho nenhum dúvida”, confia o prefeito.

 

Em recente audiência com o governador Helder Barbalho, em Belém, Milési conta sobre o estímulo que recebeu do governante para lutar pela transformação de Itupiranga num centro portuário regional.

 

– “Eu tive com o governador esta semana e dele ouvi seu desejo, seu sonho, de iniciar imediatamente as obras de derrocamento do pedral do Lourenção. Do Helder ouvi o seguinte:  – Milési, prepara o teu Município. Itupiranga pode se transformar numa Canaã dos Carajás ou Parauapebas, com outro perfil desenvolvimentista. Com o derrocamento, tudo deve convergir para o seu Município, os portos das empresas privadas que investem em minério, sojas e outras atividades do agronegócio. E, atualmente, Itupiranga não está estruturado para receber esses impactos”

 

Na conversa com o governador, José Milési recebeu recomendação para providenciar necessidades prementes para o município se habilitar a ter em seu território os grandes empreendimentos aguardados com achegada da hidrovia: Código de Postura, Código Tributário, Plano Diretor, e  urgente necessidade de construção de um anel viário traçado para desviar os caminhões do centro da cidade.

 

Também, Helder Barbalho mostrou a Milési a necessidade de destinação de uma área para servir ao futuro Distrito Industrial do Município, acomodando empresas transportadoras e de outras atividades.

 

Ao retornar da audiência com o governador, o prefeito de Itupiranga criou imediatamente uma Comissão Especial de Estudos Gerais destinada a providenciar a atualização do Plano Diretor do município, e sugerir um local para a prefeitura tentar negociar, destinado à futura implantação do Distrito Industrial.

 

A Comissão Especial é formada pelo Secretário de Desenvolvimento, Turismo, Indústria, Comércio e Mineração – Elias Cunha; ex-prefeito de Itupiranga, Benjamin Tasca; assessora Jurídica da prefeitura, Carolina Leite; bacharel Márcia Cunha e a Chefe de Gabinete, Olga Letícia.

 

Na bate-papo com o blogueiro,  o prefeito fez questão de pedir para registrar as parcerias que vem tentando emplacar, algumas  já configuradas e outras em fase de conversações, com objetivo de fortalecer apoios à luta pela transformação do município numa base portuária, nos próximos anos, com o derrocamento e viabilidade plena da hidrovia do Tocantins.

Ele cita  o apoio que já está recebendo da Unifesspa (Universidade Federal do Sul/Sudeste do Pará),  Compart (Consórcio dos Municípios Paraenses Alagados pelo Rio Tocantins –  entidade da qual Milési é presidente em seu segundo mandato)    Famep  (Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará),  Amat (Associação dos Municípios do Araguaia-Tocantins) Cisat (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Araguaia-Tocantins) e dos vereadores de Itupiranga.

– “A Câmara Municipal de nosso município tem tido papel importante nesse processo de convencimento e de sensibilização dos órgãos e autoridades ligadas diretamente às demandas que tentamos equacionar, visando a transformação econômica do município. Recebo dos parlamentares municipais todo apoio”, revela Milési.

Prefeito cita ainda parcerias construídas em torno das Colônias de Pescadores do Lago de Tucuruí e a Z-30, de Marabá, Associação Comercial de Itupiranga e conversações que pretende acelerar junto a ACIM – Associação Comercial e Industrial de Marabá.

-“Os empresários de Marabá, pessoas experientes e de visão, vão entender a importância de terem ao lado de seu município uma Itupiranga potencializada economicamente, porque surgirão oportunidades de novos negócios, além de que o perfil  de Marabá, como já disse antes, é de consolidação da verticalização  das riquezas minerais. Juntar-se a nós para a utilização da geografia fluvial de nosso município trará benefícios gerais.

Até conversas com adversários históricos têm sido realizadas, rasgando qualquer indício de partidarização política.

Os ex-prefeitos de Itupiranga Benjamin Tasca e Adécimo Gomes também fazem parte da agenda de conversas do prefeito.

-“Estou convencido de que se não unirmos nossas forças, independente da coloração partidária, chegaremos a lugar nenhum. Fiquei muito feliz  em ter o Benjamin (Tasca)  na Comissão Especial que foi criada para atualizar o Plano Diretor do município. Ao aceitar o convite, o ex-prefeito demonstrou seu amor à terra e a disposição para  a formação de uma unidade de luta. O Adécimo Gomes também é outra personalidade que deve ter um forte protagonismo nessa empreitada, vamos conversando com todos. O objetivo é um só: o futuro promissor de Itupiranga”, finaliza Milési.

 

José Milési fala dos projetos que tem em mente, para tentar aplica-los ainda em seus dois últimos anos do atual mandato, e sempre prioriza uma expressão:

 

– “ É preciso gerar emprego e renda em nosso município, abrir oportunidades para nossos jovens que estão perambulando por ai sem perspectivas”.

 

Durante a conversa, a frase acima foi dita pelo menos umas cinco vezes.

É obsessão do prefeito em tentar criar oportunidades à nova geração que está no município buscando horizontes, sem sucesso.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *