Marrocos e Biblioteca, na Cultura – , pela cultura

Publicado em 10 de janeiro de 2013

 

 

Leitora que diz chamar-se  Liz Dolores enviou o seguinte comentário, reforçando  comentário anterior de Gelson, transformado em post:

 

liz dolores
1 aprovado
lizdolores13@hotmail.com
200.164.99.144

Caro gelson o descaso com a educação é tão grande que o novo governo entrgou de bandeja o Centro de formação “Cine Marrocos” que atende mais de 1000 estudantes da rede municipal de Marabá no contra turno em seus vários projetos, contribuindo muito com aumento do IDEB do município.Estou chocada! Por pura vaidade de um secretário de cultura que quer porque quer sua secretaria neste espaço.Mais nós pais de alunos vamos começar um movimento contra essa idéia.Porque você Hiroshi,que defende com todas as forças o novo governo,não dá uma forcinha, pra eles refletirem sobre o fim do Centro de formação, que tem ato ato de criação e tudo.Esses alunos estão todos cadastrados no EDUCACENSO.Vê se publica,chega de moderar só o que você quer que agrade.

 

 

Como o poster tem acompanhado de perto todos os passos do governo Salame, alguns esclarecimentos:

 

1- O Cláudio Feitosa não recebeu “de bandeja”, como afirma a moçoila (o), o Cine Marrocos. Ele recebeu ordens de Salame para implantar uma política cultural no município, levando para a Secretaria de Cultura, Biblioteca Municipal  e o Cine, que terão papel importante nas ações a serem empreendidas pelo novo governo;

2- Desde o momento em que anunciou-se a absorção, pela Cultura, do Marrocos e da BC, uma minoria arvorou-se em espalhar informes de que haveria descontinuidade dos programas tocados pelas duas entidades. Como todo  “informe”, maneira fácil de tentar criar ambiente de dúvidas na cabeça das pessoas que querem, estas sim, Marabá passando pelas mudanças  que há tempos tanto exige.

3-  Essa “insatisfação” diante da ações a serem tomadas pela nova administração parte de um pequeno setor que há anos vive às custas da mesmice da burocracia, e que se considerava intocável. As mudanças serão feitas porque é o caminho mais certo para impulsionar uma verdadeira política cultural no município, fato que nunca ocorreu.

Serão feitas porque é uma decisão de governo.

4- O Feitosa é uma pessoa do diálogo, que está sempre  discutindo os rumos da secretaria com os   segmentos envolvidos. Quando a moçoila (ou moçoilo?) afirma que o Marrocos e a Biblioteca estão indo para a Cultura “por pura vaidade do secretário”, denuncia, de forma clara e irresponsável, por onde está saindo o fel do descontentamento.  Feitosa é um democrata e com pleno conhecimento das potencialidades culturais de Marabá, delineando uma política cultural que contemplará todos os agentes e a sociedade.

Nem os programas do Marrocos serão paralisados, muito menos  os da Biblioteca. Ao contrário, ambos ganharão novas formas de gestão, aliando seus importantes programas atuais com a  revitalização de outros setores.

5- Quando  “Liz Dolores”  diz, no comentário,   ” estar chocada”,  o poster não tem nenhuma dúvida dessa  perturbação  psíquica que lhe acometeu. Afinal, mexer em   apoderados “direitos”  de áreas antes imexíveis, causa, em primeira instância, efeito colateral de perturbadora vibração negativa.

Senhorear-se, ao longo dos anos, de “boquinhas”  gerais, dá nisso.