Marabá volta ao epicentro dos escândalos

Publicado em 21 de outubro de 2009

Só agora o poster chega à sua base. O dia inteiro na estrada.

Mas ainda cedo, por volta das 9h15, telefonema de uma fonte alcançou o blog chegando a uma cidade, com a notícia quentinha da intervenção da Polícia Federal na secretaria de Saúde de Marabá.

Sem laptop, não deu pra atualizar o sítio, colocando nossos leitores a par da Operação ‘Higeia’.

Resumo da opereta:

1- A PF vinha monitorando os passos dos dois principais suspeitos (Reginaldo P. e José D. P. – pai e filho) através de gravação de telefonemas, autorizados pela Justiça.

2- O esquema de notas fiscais frias originárias de 40 empresas fantasmas está enquadrado em superlativo sem precedente na região Norte. A própria PF se mostra surpresa com a dimensão do esquema que desviava recursos federais para a compra de insumos de saúde.

3- Cuidadosa nas investigações, a polícia evita apontar o envolvimento de mais gente, inclusive funcionários municipais. Mas não tem dúvida da participação de outros servidores.

4- O secretário de Saúde e vice-prefeito Nagilson Amoury garante que está fora do esquema:

Nunca assinei um cheque na secretaria. Todos são assinados pelo prefeito Maurino e pelo secretário de Finanças, Pedrinho. Se tiver um cheque assinado por mim, renuncio meu mandato.

5- Amanhã, depois que retornar de viagem que fará a uma cidade no Sudeste, o poster trará mais novidades sobre a Operação ‘Higeia’.