Marabá: Projeto piloto experimental  de plantio de Cacau visa incentivar pequenos agricultores da região.

Publicado em 1 de junho de 2021

Reinaldo Zucatelli avaliando o projeto piloto de cacau da Fazenda São Sebastião.

Há aproximadamente um ano iniciava-se o plantio experimental  de cacau na Fazenda São Sebastião, a 54 km distante de Marabá, de propriedade do empresário Reinaldo Zucatelli, diretor do Grupo Zucatelli.

À época, o blog registrou o início dos estudos para a execução do projeto piloto.

No último sábado, Reinaldo visitou a área onde está investindo no projeto piloto.

“Por enquanto, trata-se de uma experiência, mas os resultados demonstram a viabilidade econômica de desenvolver o plantio de cacaueiros na região,  e, se isso se confirmar, será mais uma opção, principalmente para os  pequenos e médios agricultores paraenses residentes no Sudeste do Estado”,  explica Zucatelli em conversa com o blogueiro.

A boa notícia é que o experimento  de Reinaldo Zucatelli está indo no rumo certo.

E quem pensa que o empresário tem preocupações em investir pesado na cultura cacaueira, não é bem assim.

“Eu fico imaginando essa nossa região com suas 300 mil famílias de assentados em áreas do Incra… Calcule se cada família plantar no mínimo 5 hectares de cacau; a   soma disso no final das contas é algo extraordinário:  1,5 milhão de áreas cultivadas de cacau. O  Sudeste do Pará seria transformado numa potência cacaueira, e as famílias de assentados ganhariam qualidade de vida com a distribuição de renda proveniente da comercialização da cultura”, idealiza Reinaldo.

Tão logo o projeto piloto da Fazenda São Sebastião esteja produzindo o fruto, Zucatelli convidará assentados a conhecerem  a plantação.

“Nós precisamos incentivar o plantio do cacau aqui no Sudeste do Estado. Quem me conhece sabe que valorizo muito esses tipos de iniciativas. Todos ganharemos com essa nova cultura, principalmente espalhada nas áreas de assentamentos, que pode chegar a produzir até  2,5  mil quilos por hectare, como já ocorre na Rodovia Transamazônica, mais precisamente no município de Medicilândia, com a predominância de milhares de pessoas da Agricultura Familiar desenvolvendo a cultura do cacau”, sonha Reinaldo Zucatelli.

Que vai além em suas explicações.

“No contexto da oferta e demanda da produção mundial de cacau, o Brasil, atualmente, apesar de produzir amêndoas secas de boa qualidade, como vemos na Fazenda Panorama , em Medicilândia,  é ainda um país importador. O desafio para fazer o Brasil retornar à condição de autossuficiência na produção de amêndoas secas de cacau passa pelo aumento da produtividade da lavoura e pela quebra de paradigmas, tais como o cultivo do cacaueiro em novas fronteiras agrícolas”, analisa o diretor do Grupo Zucatelli.

Amêndoa de primeiríssima qualidade que produzirá o chocolate, na Fazenda Panorama, em Medicilândia.

 

Outra observação oferecida por Zucatelli refere-se aos métodos de plantio.

“O plantio do cacau pode ser feito em mata fechada, por causa do sombreamento necessário ao bom desenvolvimento do fruto. Isso é excelente para o agricultor familiar usar a sua reserva florestal, plantando no seu interior.  No projeto piloto que estou fazendo na fazenda São Sebastiao usei o plantio de mudas do cacau entre plantações de banana e mandioca, para criar  sombreamento às mudas cacaueiras”, conta.

Na visão de Reinaldo, todos ganhariam com a transformação dos assentamentos em polos cacaueiros, porque os municípios teriam  famílias com mais recursos para movimentar o comércio.

– “Imagine se os governos decidam incentivar as famílias de assentados distribuindo  sementes de cacau e oferecendo assistência técnica  para produtores dos municípios do Sul e Sudeste do Pará, não tenho dúvida de que  seriamos um imenso polo da cultura, além de que plantar cacau, nas áreas de assentamento, seria garantir a chamada sustentabilidade da propriedade”, comenta o empresário.

Em suas observações, Zucatelli cita o exemplo do assentamento Tuerê, próximo a Novo Repartimento.

– “Tuerê é  um dos maiores assentamentos de pequenos produtores rurais da América Latina, com  mais de 3 mil famílias assentadas. O plantio de cacau virou uma cultura do PA, que tem gerado desenvolvimento econômico aos seus proprietários com o surgimento de pequenas florestas produtivas graças ao manejo de milhares de pés de cacau plantados em cada lote, despontando a técnica de manejo com sombreamento, ou seja, o uso de árvores nativas para sombrear o pé de cacau,  melhorando a produtividade do fruto e restaurando áreas desmatadas anteriormente”, cita o empresário.

É do cacau que se faz o chocolate através da moagem das suas amêndoas secas e moídas em processo industrial ou caseiro.

Outros subprodutos do cacau incluem sua polpa, suco, geleia, e sorvete.

Segundo Reinaldo Zucatelli o cacaueiro começa a frutificar com dois anos, produzindo normalmente a partir do quarto até os 80 anos após plantio.

“A lavoura do cacau permite a fixação das famílias no campo e torna a propriedade rural mais viável economicamente”, conclui.