Hiroshi Bogéa On line

Marabá mobilizada pela Alpa

A audiência pública que vai debater o relatório de impacto ambiental (EIA/RIMA) do projeto da Siderúrgica Aços e Laminados do Pará (Alpa) está mobilizando a cidade de Marabá, na região do Carajás. O encontro está agendado para esta quinta-feira (7), no auditório da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), a partir das 14 horas.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Anibal Picanço, irá coordenar os debates. O projeto Alpa será viabilizado pela empresa Vale S.A com orçamento previsto em US$ 2,7 bilhões e uma expectativa de gerar 16 mil empregos. A inovação do projeto é pela verticalização mineral, abandonando a linha extrativista na exploração de minério de ferro, que marcou a região desde a implantação do polo Carajás. O clima de otimismo dos setores comercial e industrial indica a região como o novo ponto da indústria metal-mecânico do Brasil, com agregação de valores e melhoria da qualidade de vida da população.

 
Texto é de Selma Amaral, da sucursal  de Marabá da Secretaria de Comunicação do Estado.
 
Leia mais.

Post de 

5 Comentários

  1. Anonymous

    8 de janeiro de 2010 - 00:31 - 0:31
    Reply

    A pergunta q faço: A Vale diz q vai gerar 16.000 novos emprêgos com a implantação da ALPA, e o município vai ter uma demanda de 100.000 novos habitantes, a pergunta é: o q vão fazer os 84.000?

  2. Anonymous

    7 de janeiro de 2010 - 22:36 - 22:36
    Reply

    o titulo não condiz com a realidade da nossa cidade,com excessão de algumas pessoas,a população não foi mobilizada.O governo estadual e municipal monopolizararam as informações intencionalmente, não querem a participação dos movimentos populares.Querem o povo bem longe da alpa, tem muita coisa em jogo.

    Queremos saber porque o prefeito esta abrindo mão dos impostos para a vale, a maior empresa mineral do mundo?
    Queremos saber porque o prefeito não estabelece criterios para a estalação do projeto,como foi em paragominas e nas cidades de minas gerais e no espiriro santo.
    Tem cidade que a vale se compromete em construir escolas,hospitais e saneamento basico.
    Me diga caro amigo porque marabá esta abrindo mão de tudo isso?

  3. Anonymous

    7 de janeiro de 2010 - 13:37 - 13:37
    Reply

    A audiencia publica é uma farsa,foi tudo combinado com um grupinho que esta controlando todas as informaçoes.
    Os governos do estado/ municipal e acim estão manipulando as informações para beneficios proprios.AS mesmas negociações que nos vimos na compra das areas para a alpa.Aqueles discursos decorados de bilhões de investimentos,milheões de emprego e so uma forma de desviar os assuntos mais profundos como os investimentos da vale na região em educação, saude,saneamento basico,casa propria,infra estrutura. uma cidade que vai multiplicar a sua população precisa de investimento urgente.E como fica este debate neste momento?

  4. Anonymous

    7 de janeiro de 2010 - 07:15 - 7:15
    Reply

    O governo do estado so fala nos empregos gerados, e esse povo vai morar, estudar,usar esgoto, onde? alem de ficar fazendo propagando do eldorado, de milhões de emprego deveria estar pensando na infra estrutura da região que não tem estrada, escola do ensino medio,hospital, saneamento basico.TEm um grupinho que esta pensabdo nos louros politicos como a releição e eleição para deputado.O povo precisa tomar a frente desse processo,s não vamos ficar chupando o dedo como ficamos no grande carajas.

  5. Anonymous

    7 de janeiro de 2010 - 05:36 - 5:36
    Reply

    Hiroshi

    Os 2 vereadores estão certos em exigir compensaçoes da VALE. Esse projeto vai gerar 21 mil empregos mas vai trazer para Marabá 100 mil pessoas, causando um caos na nossa cidade, aumentando a violência, invasões, caos na saude, etc. E o momento de exigir essas compensacoes para a nossa cidade da VALE é agora antes do inicio do projeto. Lá em Paragominas, o Prefeito pediu e a VALE deu compensações, como recursos para preparar a cidade para esse crescimento. Nosso problema é que não temos Prefeito.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *