Marabá adere a consórcio dos municípios para compra de vacinas contra Covid-19

Publicado em 23 de março de 2021

A Prefeitura de Marabá aderiu ao consórcio da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) para aquisição de vacinas. A adesão ao consórcio foi aprovada por unanimidade pela Câmara Municipal de Marabá (CMM) na última terça-feira (16), em caráter de urgência. Com a aprovação, o município se torna apto a comprar vacinas e outros insumos diretamente com os fabricantes.

O prefeito de Marabá, Tião Miranda, e o vice-prefeito, Luciano Dias, participarão de uma reunião com a FNP na segunda-feira (22) para tratar sobre o assunto.

“Potenciais fornecedores, custo do material, prazos, tudo isso será discutido entre todos os municípios. Toda negociação é com a Frente dos Prefeitos, não é uma decisão isolada de Marabá. Nessa reunião atualizaremos sobre como está o procedimento para aquisição”, explica Luciano Dias.

Ele ressalta que a adesão ao consórcio irá propiciar maior rapidez na aquisição de insumos e principalmente de vacinas. “A compra no momento é um negócio muito difícil. Os laboratórios não produzem conforme demanda que está muito maior que a oferta. Mas agora nos credenciamos a sair na frente”.

Ele também aproveita para ressaltar a importância da ação. “A aquisição de vacinas é vital para retomar com segurança a economia, as aulas, as atividades de modo geral para quem trabalha na rua, em bares, academias e todos demais segmentos”, reforça.

Entre outros esforços para tratar a pandemia, o município de Marabá recebeu na semana passada novos leitos através de parceria com o Governo do Estado. vacinação de idosos com 75 anos ou mais também segue ocorrendo em 5 diferentes pontos estratégicos da cidade.

Recentemente também foi divulgado em relatório do Tribunal de Contas dos Municípios que Marabá está entre os municípios que possuem oxigênio suficiente para mais de 30 dias, considerando a situação atual da pandemia, com o suficiente para atender uma demanda de urgência, caso ocorra uma situação semelhante ao que aconteceu no Amazonas.

“O combate à pandemia vem sendo prioridade desde que a doença surgiu. Trabalhamos com afinco direcionando recursos próprios e federais para essa questão. Embora tenhamos muitas perdas, temos trabalhado com êxito.  O comércio está funcionando e temos um índice de letalidade baixo”, analisa Luciano.

O movimento das cidades brasileiras por mais vacinas na pandemia do Coronavírus teve início após o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar que estados e municípios comprem doses do imunizante. A Frente Nacional dos Prefeitos é composta pelas Prefeituras com mais de 80 mil habitantes, mas todas as cidades do país tiveram a chance de aderir ao consórcio sem custo para a Prefeitura.

Os recursos para aquisição de vacinas pelos municípios poderão vir tanto de recursos municipais, quanto federais, da iniciativa privada ou de organismos internacionais.