Hiroshi Bogéa On line

Mancuricando eles

A reforma eleitoral que o Senado vota nesta quarta-feira, 9, segundo Fernando Rodrigues, “deve manter sérias (e impraticáveis) restrições ao livre uso da internet durante períodos eleitorais no Brasil. No ano que vem, se for aprovado o texto, a censura à web se dará a partir de 5 de julho”.

Atentos, blogueiros paraenses, aos passos dos senadores José Nery (Psol), Flexa Ribeiro e Mário Couto (PSDB). Saber se eles votarão favoráveis à mordaça na Internet.

E largar a pua, se assim procederem.

Post de 

2 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    10 de setembro de 2009 - 17:02 - 17:02
    Reply

    Professor, estão se confirmando suas suspeitas: a turma do DEM/PSDB (Marco Maciel e Azeredo) brecou mesmo a liberdade dos sites, no período eleitoral. A má-fé deles, o medo de encarar o eleitorado, a insistência de tratarem o leitor com o Olhar-69. Mas não adianta: a Web nasceu e seguirá livre, sempre. Seu comentário vai a post. Abs

  2. Prof. Alan

    9 de setembro de 2009 - 01:15 - 1:15
    Reply

    Hiroshi, me desculpem os políticos que leem seu blog, mas eles costumam não nos poupar de suas ações, então não os pouparei de minhas opiniões.

    Suas Excelências estarão dando um show de má-fé e burrice se vetarem o uso da internet nas eleições. Comprovarão mais uma vez que a maioria da nossa classe política se porta como a vanguarda do atraso.

    Má-fé: como não se preparam para usar a web preferem proibir seu uso. Não querem correr o risco que alguém aprenda a usá-la até as eleições. Parece que nunca ouviram falar sobre o sucesso que foi a campanha do Obama na internet (e acho que nunca ouviram mesmo, estavam mais preocupados em editar atos secretos e na farra das passagens aéreas…).

    Burrice: a ideia partiu de uma dupla DEM/PSDB. E eles parecem ignorar por completo que José Serra e Aécio Neves, pré-candidatos da oposição, tem maior penetração entre o eleitorado com acesso à internet. E também na internet poderiam disputar melhor com a Dilma os votos dos jovens…

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *